BRASIL

Pezão rebate críticas por ter se internado para tratamento médico

Pezão deu a declaração após participar de reunião com o presidente Michel Temer

Por Redação
20/07/2017 • 17h02
Compartilhar

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, disse nesta quinta-feira (20) que tirou licença de cinco dias do cargo para cuidar da saúde e caso isso não ocorresse, corria o risco de morrer. Pezão disse que não se internou em um spa, mas em uma clínica médica, por causa do agravamento do seu quadro clínico, após ter passado pelo tratamento de um câncer diagnosticado em março de 2016 e não ter seguido os cuidados da equipe médica.

“Eu não fui para um spa. Me internei em uma clínica médica. Precisava de tratamento. Saí de uma doença muito séria. Um tumor muito forte. São oito tumores. Saí do tratamento em outubro contrariando os meus médicos e vim para a luta. Todos eles tinham pedido que eu aguardasse até fevereiro, março, e eu não aceitei os conselhos médicos. Perdi toda a minha musculação do corpo. Eu não tinha força para levantar de uma cadeira. Eu levanto apoiando”, disse.

Pezão deu a declaração após participar de reunião com o presidente Michel Temer, no Palácio do Planalto, em Brasília, para discutir medidas na área de segurança do Rio de Janeiro.

Segundo o governador, em dois anos e sete meses, desde que foi reeleito para o cargo, tirou apenas dois períodos de licença. A primeira de três dias durante período de carnaval, quando foi para a clínica que voltou agora, e a segunda, nesta semana, de cinco dias, interrompida para ir à reunião com o presidente Temer em Brasília.

“Dois anos e sete meses foram as minhas duas únicas viagens. Foi para esta clínica tentar me recuperar e com meu dinheiro. Da outra vez recebi esta crítica [de ter se hospedado em um spa], mandei o cheque e a nota fiscal para a revista que insinuou que eu tinha ido de graça para lá. Vocês vão ter disponíveis, se quiserem, a mesma nota fiscal e o meu número de cheque pagando a minha internação lá. Se não me cuido, não tenho como cuidar bem das pessoas”, disse. (Informações Agência Brasil)

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de Brasil

VEJA MAIS