Três Lagoas, 22 de setembro
28º C
(67) 99229-0519

Mutirão Carcerário vai analisar 1,5 mil processos em Três Lagoas

Presos do Mato Grosso do Sul podem ser beneficiados com a análise dos processos

Por Ana Cristina Santos
22/05/2017 • 14h13
Compartilhar

Cerca de 1,5 mil processos da 1ª Vara Criminal de Três Lagoas serão analisadas a partir desta segunda-feira (22), quando inicia o mutirão carcerário do Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul. O trabalho se estende até 23 de junho.

Serão analisados os processos de presos condenados, definitivos ou provisórios, em cumprimento de pena nos regimes fechado, semiaberto e aberto, beneficiados com livramento condicional, e de condenados a penas restritivas de direito, decidindo-se quanto à possibilidade de concessão de benefícios da Lei de Execuções Penais (Lei n° 7.210, de 11 de julho de 1984).

Ainda de acordo com o TJ/MS, os trabalhos envolverão ainda as Guias de Execução versando sobre cumprimento de suspensão condicional dos processos, que tramitam na Central de Execução de Penas Alternativas, decidindo-se sobre a extinção da punibilidade ou devolução ao juízo da ação penal, no caso de descumprimento das condições do benefício.

O mutirão pode trazer alguns benefícios aos internos, como a soltura imediata do preso. Além disso, pode identificar e apontar as eventuais fragilidades de segurança do sistema penitenciário, assim como facções criminosas.

Além de Três Lagoas, o mutirão carcerário vai abranger também a 3ª Vara Criminal da comarca de Dourados, com cerca de 1.800 processos, e a 2ª Vara de Execução Penal de Campo Grande, com cerca de 7.500 processos. No mutirão também será feito o reexame dos 1.601 processos de presos provisórios de todas as Varas Criminais do Estado pelos juízes da  causa, nas comarcas em que os feitos tramitam.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews

VEJA MAIS