Três Lagoas, 22 de setembro
28º C
(67) 99229-0519

Prefeitura prevê arrecadação de R$ 475 milhões para 2018

Município deve arrecadar R$ 21 milhões a mais em 2018, se comparado ao exercício de 2017

Por Ana Cristina Santos
29/05/2017 • 14h05
Compartilhar

Em 2018, a Prefeitura de Três Lagoas deve arrecadar R$ 475 milhões. Esse é o valor previsto na Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO) apresentada em audiência pública realizada nesta segunda-feira (29), na Câmara de Vereadores.

O montante representa R$ 21 milhões a mais do valor previsto para 2017. A LDO para o exercício deste ano, prevê uma arrecadação de R$ 454 milhões.  Em 2016, a previsão orçamentária era de R$ 432 milhões, no entanto, a prefeitura encerrou o ano passado com uma arrecadação de R$ 476,5 milhões- R$ 44 milhões a mais do que o previsto.

Segundo o secretário municipal de Finanças e Controle, Cassiano Maia, houve um superávit no ano passado. O montante arrecadado a mais no ano passado em relação ao previsto, de acordo com ele, é fruto de pagamento de indenizações. “Para o ano que vem, poderá até ter mais, porém não é uma garantia de arrecadação. O Consolidado difere sempre do previsto”, explicou.

Ainda durante a audiência pública, aberta pelo prefeito Ângelo Guerreiro (PSDB), foram apresentadas as metas de todas as secretaria para o próximo ano. Os presentes tiveram também a oportunidade de opinar sobre o que entendem como prioridade para Três Lagoas. Os secretários e técnicos da prefeitura estiveram presentes e responderam as perguntas dos participantes.

Segundo Cassiano Maia, após as discussões da LDO, que devem ocorrer durante todo o mês de junho, a prefeitura vai elaborar o Plano Plurianual (PPA) e posterior a Lei Orçamentária Anual (LOA) para 2018, que será encaminhada para aprovação do Legislativo.

 

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews

VEJA MAIS