MS

Ação contra dengue recolhe 10 toneladas de lixo em bairro

O lixo foi retirado do bairro Jardim Noroeste, em Campo Grande

Por Redação
11/12/2017 • 17h30
Compartilhar

Quase 10 toneladas de resíduos sólidos foram recolhidas de casas e terrenos baldios, no bairro Jardim Noroeste, em Campo Grande, onde o índice de infestação do mosquito Aedes aegypti é alarmante, de acordo com o Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes (Lira). O lixo, que será reciclado, foi retirado no período de uma semana e envolveu os moradores da região.

A iniciativa da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde (SES), tem como objetivo diminuir os focos do mosquito transmissor da dengue, zika e chigungunya. Todo Equipamento de Proteção Individual (EPI) utilizado na ação de coleta foi doado pela SES, por meio da Coordenadoria de Controle de Vetores.

“Nós pedimos para que a comunidade trouxesse resíduos sólidos que estivessem em seus quintais. Além disso, como estávamos com mão de obra na região, retiramos dos terrenos baldios o mesmo tipo de resíduo sólido. Esse tipo de material não é recolhido pela coleta pública normal porque é considerado resíduo volumoso, como geladeira, vaso sanitário, sofá, tubo de televisão. E o objetivo era retirar esse material porque eles são potenciais criadouros do mosquito”, explicou o coordenador de resíduos da Sesau, Marcos Carvalhal.

Todo material recolhido foi mantido em um ecoponto improvisado e de lá seguiu para uma empresa de reciclagem com a qual a Prefeitura firmou uma parceria gratuita. “Pretendemos fazer isso em seis bairros, incluindo os três que possuem índice alarmante de infestação do mosquito em Campo Grande. O próximo local será as Moreninhas”.

Segundo Marcos, das 10 toneladas de lixo coletado, cinco foram de pneus retirados das ruas. “Os pneus foram levados diretamente para uma empresa de reciclagem que trabalha apenas com esse material”.

Além do Jardim Noroeste e Moreninhas, o bairro Cidade Morena também apresentou alto índice no que se refere ao Aedes aegypti. Na classificação do Lira, referente ao mês de novembro, a Capital apresenta médio risco de infestação, em comparação com os outros 78 municípios.

(Informações da assessoria)

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de MS

VEJA MAIS