MS

Em expedição bioceânica, UEMS firmará cinco convênios internacionais

Projeto terá impacto na economia de todo o país, encurtando o caminho para a exportação de produtos brasileiros para o oriente

Por Redação
25/08/2017 • 18h05
Compartilhar

Uma equipe da UEMS, liderada pelo reitor Fábio Edir dos Santos Costa, partiu na manhã desta sexta-feira (25) rumo aos portos do Chile, integrando a missão oficial que percorrerá o trajeto da Rila (Rota de Integração Latino-americana). O projeto terá impacto na economia de todo o país, encurtando em mais de 7 mil quilômetros o caminho para a exportação de produtos brasileiros para o oriente.

A equipe da UEMS, que além do reitor conta com o assessor de relações internacionais Ruberval Maciel e do coordenador do Grupo de Estudos em Fronteira, Turismo e Território, Roberto Paixão, assinará convênios com cinco universidades estrategicamente localizadas ao longo da Rota. No Chile, os convênios serão firmados com a Universidade de Antofagasta e com a Universidade do Norte do Chile. Na Argentina, com a Universidades Nacional de Jujuy e Universidade Nacional de Salta. E, por fim, no Paraguai, o convênio será estabelecido com a Universidade Nacional de Assunción.

“Os convênios serão importantes não só para a UEMS, na medida em que abrirá possibilidades de intercâmbio e mobilidade para nossa comunidade acadêmica, mas também para a viabilização da Rota em si. Muitas das demandas, como estudos de viabilidade ambiental, social e turístico, entre outros, poderão ser atendidas a partir da atuação coordenada destas universidades”, diz o reitor Fábio Edir, destacando o fato da UEMS ter sido indicada coordenadora da Rede Universitária da Rila.

O percurso entre Mato Grosso do Sul até a região portuária do Chile será feito em 30 caminhonetes dotadas de moderno sistema de navegação e comunicação. Durante o evento de lançamento da Rila, realizado na noite da última quinta-feira (24.8), o governador Reinaldo Azambuja destacou a importância desse projeto não só para o Centro-Oeste, mas para todo o Brasil.

“Abrir esse corredor é tornar os nossos produtos mais competitivos. Nos últimos anos sofremos um apagão de logística por um equívoco dos governos anteriores, e com essa rota vamos abrir as portas para melhorarmos a nossa competitividade”, afirmou Reinaldo Azambuja. O governador lembrou que a abertura desse caminho vai representar a criação de melhores condições não só para a exportação dos produtos primários, mas também os produtos industrializados.

As 30 caminhonetes que iniciam nesta sexta-feira a caravana, retornam no dia 3 de setembro. Nesse período, passarão por cidades do Paraguai, Argentina e Chile.

(Assessoria UEMS)

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de MS

VEJA MAIS