Neste ano

Trânsito mata 17 pessoas em Três Lagoas em 800 acidentes neste ano

Número de mortes em 2018 supera o registrado no ano passado e gera alerta

17/10/2018 15:00


A quantidade de acidentes de trânsito aumentou neste ano em ruas e avenidas de Três Lagoas. Foram 800 ocorrências registradas por agentes de tráfego e a Polícia Militar entre janeiro e outubro. O dado corresponde, em média, a 80 acidentes por mês, segundo o Departamento de Trânsito. A situação fica ainda mais preocupante com o número de pessoas que morreram vítimas de acidentes: 17.

O levantamento aponta que a quantidade de mortes no trânsito, no perímetro urbano, ultrapassou os registros do ano passado. Em 2017, 12 pessoas morreram em acidentes.

De acordo com a pasta, a imprudência é a principal causa de acidentes, além de embriaguês ao volante desrespeito a limites de velocidade.

Também chama a atenção o número de atropelamentos. O caso mais recente ocorreu em 5 de outubro envolvendo um idoso de 84 anos. O agropecuarista Nilton Correa Guimarães atravessava a pé pela rua Wilson Carvalho Viana, por volta das 14h20, quando foi atingido por uma moto que trafegava sentido ao aeroporto.

Com o impacto, o motociclista caiu e sofreu ferimentos leves. O agropecuarista teve várias lesões, inclusive, traumatismo craniano. Ele foi socorrido pelo Serviço Ambulatorial Médico de Urgência (Samu) e levado ao Hospital Auxiliadora. Porém, morreu dois dias depois.

Outro caso foi registrado na madrugada de 3 de outubro. Diony Viana Saraiva, de 23 anos, morreu ao bater a moto que pilotava em um poste de iluminação pública, no Distrito Industrial. Testemunhas disseram que ele teria perdido o controle da moto.

HORA DO RUSH

O Departamento de Trânsito reforçou que tem promovido ações educativas para combater  acidentes. Pontuou também que boa parte desses acidentes acontece na “hora do rush” do trânsito três-lagoense, entre 12h e 13h, período de almoço, e das 17h às 19h, no retorno do trabalho, além da madrugada, quando motoristas são flagrados dirigindo embriagados em alta velocidade.


Kelly Martins