Entrevista

'É possível e necessário inovar na OAB'

Candidata de oposição, Simone Siqueira aponta mudanças que acredita serem viáveis e necessárias na subseção de Três Lagoas

18/11/2018 06:00


Com pouco menos de 30 dias de intensa campanha, divulgação de chapas, acusações e denúncias, com idas e vindas da Justiça em torno de supostos favorecimento a candidatos de situação, as eleições de 2018 da OAB em todo o Estado são as mais concorridas dos últimos 10 anos - período de alternância de dirigentes nos cargos de maior destaque em Campo Grande e em subseções, como a de Três Lagoas.

O dispositivo da reeleição, introduzido na Ordem com a Constituição de 1988, nunca havia sido tanto utilizado. A necessidade de troca e inovação de atividades são temas de advogadas que tentam quebrar o longínquo ciclo masculino na associação. A advogada Simone Siqueira, opositora ao comando da Ordem em Três Lagoas, aponta o que a entidade poderia realizar para a comunidade e contribuir com a classe - especialmente com novos advogados. Para ela, é possível "fazer muito mais com inovação".

Jornal do Povo - O que é possível inovar?
Simone Siqueira - A OAB precisa defender veementemente as prerrogativas da classe, precisa participar das políticas públicas da cidade, e contribuir com a comunidade com a independência que só a Ordem dos Advogados tem.

JP - O que efetivamente pode ser feita em favor do cidadão?
Simone - Com participação em uma comissão dedicada ao combate à violência contra a mulher - de onde fui tirada abruptamente pela atual gestão da OAB de Três Lagoas - pude conhecer um pouco mais das necessidades da população.  Um dos trabalhos que fizemos foi o da mudança de prédio da Delegacia da Mulher. Eu e as nove integrantes da comissão trabalhamos por isso e conseguimos envolver as autoridades para a mudança. E vamos continuar acompanhando essa pauta para avançar ainda mais. 

JP - Por que a Sra. foi retirada da coordenação?
Simone - Arbitrariamente, no dia 22 de março, na véspera de um evento na Aems, a atual gestão se reuniu em assembleia extraordinária para decidir sobre minha remoção, sob o argumento de que eu estaria fazendo propaganda eleitoral antecipada e porque não teria respeitado a hierarquia. Não é verdade. Então, aí me senti estimulada a disputar a presidência da OAB. Agora, mais recentemente, a atual gestão e a chapa de situação removeram de um grupo de WhatsApp todos os advogados que demonstraram disposição em votar em nossa chapa Inova OAB. 

JP - E a comissão volta, em caso de sua eleição?
Simone - Não só essa, mas muitas outras, como a do idoso, a da saúde, a da fiscalização da probidade administrativa, do meio ambiente, a do consumidor... Na nossa gestão todas as comissões serão atuantes e não de gabinete, de protocolo e burocracia. Não serão comissões "para inglês ver".

JP - E quanto ao cerceamento de campanha, que gerou uma ação judicial em Campo Grande? 
Simone - Nós, de oposição, não temos acesso à lista de associados inadimplentes, suspensos por infração disciplinar ou por incompatibilidade com exercício da advocacia, mas, a situação tem, e isso ajuda muito na hora de fazer a campanha, de falar com os advogados. Os inadimplentes não votam. E é preciso abrir a "caixa preta" da OAB para saber, enfim, saber quantos advogados estão inadimplentes - eles que são assediados em época de eleição e só podem votar com força de mandado de segurança, e pode alterar o resultado de uma eleição. Vamos equilibrar isso, que precisa ser feito para estimular a todos a terem sua situação em dia. Assim, teremos uma gestão transparente, aberta, com participação efetiva dos advogados.  

JP - Quais são seus planos para os novos advogados?
Simone - Teremos um escritório compartilhado para que eles possam trabalhar, com custos de manutenção subsidiados pela OAB. Mas, principalmente, vamos estimular os advogados mais experientes a contribuírem com os novos em termos de conhecimento. Isso é muito importante para quem está em início de carreira, e valoriza, demonstra respeito ao conhecimento dos mais velhos. Nossa gestão será assim. Com participação de todos. Também por isso nossa chapa é composta por advogados experientes e novos; por homens em mulheres, em completa paridade, além de profissionais do Direito que também atuam em outras áreas, como arquiteto, farmacêutica, agente e escrivão de polícia, por exemplo, além de integrantes de família tradicional e também colegas que foram acolhidos pela nossa querida sociedade três-lagoense.


Valdecir Cremon