IBGE

Construção civil de MS avança em empresas e faturamento

Pesquisa anual do setor aponta melhora de Ms no ranking nacional

18/06/2021 11:30


A indústria da construção civil avançou em renda e número de empresas em 11 anos no Estado. O setor da construção civil englobava 786 empresas ativas em Mato Grosso do Sul ao final de 2019 contra 634 empresas em 2009, crescimento de 24%. Entre os estados da região Centro-Oeste, MS tem o menor número de empresas do setor: Goiás apresenta 1.882 empresas, Mato Grosso 1.106, Distrito Federal 1.013. No Brasil, eram 59.948 empresas da construção civil com crescimento de 50,1% em relação a 2009 (39.917) Os dados constam da Pesquisa Anual da Indústria da Construção Civil de 2019, divulgada ontem pelo IBGE.
Em relação ao número de pessoas ocupadas, MS apresentou números praticamente estáveis, com uma queda de 7,12% na comparação com 2018 (2018: 20.798 e 2019: 19.318). Já na comparação 2019 e 2009, há um recuo de 20,2%, pois naquele ano havia, no estado, 24.107 pessoas ocupadas na construção. Tal padrão também pode ser visto nos números do Centro-Oeste e do Brasil, que apresentaram, respectivamente, quedas de 18,6 e 13,6% para o mesmo comparativo
Na série retratada, de 2007 a 2019, Mato Grosso do Sul apresentou aumento do quesito salário, retiradas e outras remunerações. Apesar da queda de 2017 para 2018, MS mostrou recuperação na participação dos salários, sendo que em 2019, com valor de 618,3 milhões de reais, atingiu patamar comparável aos números de 
2012 (621,2 milhões de reais) Custos das obras e/ou serviços da construção apresentaram recuperação Os custos das incorporações, obras e serviços da construção no estado para o ano de 2019 ficou em 1,18 bilhão de reais. Comparado a 2010 (1,48 bilhão), houve uma queda de aproximadamente 20,3%. Porém, em relação a 2018 (1,05 bilhões), houve um aumento de 12,9%. 

Valores
Em Mato Grosso do Sul, a atividade da construção gerou R$ 3,2 bilhões em valor de incorporações, obras e/ou serviços da construção em 2019. Na análise por região, os dados da PAIC mostram que houve estabilidade na participação de MS dentro da região (14,4% em 2010 para 14,1% em 2019). A região como um todo permaneceu sem mudanças estruturais significativas no período de 10 anos. No entanto, destaca-se o aumento de 6,8 p.p na participação de Mato Grosso. (21,5%).


Rosana Siqueira