POLÍCIA

Comerciante é preso após furtar ambulância e alega: 'foi para testar segurança'

Veículo foi furtado de dentro do pátio do Samu de Três Lagoas, no último dia 15 de março

Por Kelly Martins
30/03/2017 • 13h44
Compartilhar

Um comerciante, de 38 anos, foi detido pelo Setor  de Investigações Gerais (SIG) da Polícia Civil, nesta quinta-feira (30), como o principal suspeito de ter furtado uma ambulância de dentro do pátio do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de Três Lagoas. O fato ocorreu na madrugada de 15 março e o homem alega que cometeu o crime “para testar a segurança do local”.

O veículo foi encontrado abandonado, com as portas abertas, horas depois, na Avenida Filinto Muller, esquina com a travessa Benvindo Viana, no bairro Interlagos. De acordo com o delegado do SIG, Airton Freitas, algumas testemunhas teriam visto o suspeito deixando o veículo na avenida. Uma equipe policial realizou o monitoramento e encontrou o comerciante Anderson Alves de Medeiros, trabalhando no bar o qual é proprietário, e que fica na esplanada da NOB.

Amigos e familiares do comerciante relataram ao delegado que ele tem problemas psicológicos.  Na ocasião, Anderson confessou à polícia o furto e foi encaminhado para a delegacia. Ao JP News, o comerciante contou que já foi transportado na ambulância por diversas vezes para tratamentos em hospitais. Considera ainda que não praticou crime. “Eu furtei? Então a ambulância é minha depois que eu sair da cadeia. Quem manda não ter segurança. Não tinha ninguém lá [Samu]. Era só chegar e levar”, declarou em entrevista na delegacia, enquanto aguardava para depor.

Nada foi levado de dentro da ambulância. O veículo é o mais novo adquirido pela Prefeitura Municipal e também serve como UTI Móvel. Na unidade não há câmeras de segurança e, na data, não tinha vigilante. O furto só foi percebido quando funcionários chegaram para trabalhar. O delegado informou que por não se tratar de flagrante, o suspeito deverá ser liberado após prestar esclarecimentos.  

(

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de Polícia

VEJA MAIS