ECONOMIA

Índice que reajusta aluguel e energia recua na segunda prévia

Utilizado como indexador em reajustes de aluguel e tarifas de energia, o IGP-M acumula no ano alta de 10%, assim como nos últimos 12 meses

Por Redação
18/12/2008 • 14h05
Compartilhar

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) recuou para 0,05% na segunda prévia de dezembro, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). No mesmo período do mês anterior, a variação havia sido de 0,49%.

Utilizado como indexador em reajustes de aluguel e tarifas de energia, o IGP-M acumula no ano alta de 10%, assim como nos últimos 12 meses. O resultado é influenciado pela queda de preços no atacado – indicador que tem maior impacto no IGP-M –, embora a FGV tenha registrado alta de 0,13 ponto percentual nos preços ao consumidor.

Entre os três itens que compõem o IGP-M, o Índice de Preços por Atacado (IPA) registrou deflação de 0,15%, ante a elevação de 0,48% do mesmo período de novembro. A maior contribuição para desaceleração do IPA, que tem peso de 60% no índice global, partiu do subgrupo utilidades domésticas, que variou de 1,36% para -1,68%.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que responde por 30% do IGP-M, avançou para 0,54%, ante 0,41% do período anterior. A alta foi puxada pela aceleração de preços em seis da sete classes de despesa. O destaque foi o grupo de saúde e cuidados pessoais, que registrou avanço de 0,65% contra 0,33% em novembro, com destaque para alta em salões de beleza.

Com peso de 10% no IGP-M, o Índice Nacional de Preços da Construção Civil (INCC) registrou desaceleração. A taxa passou de 0,71%, na segunda prévia de novembro, para 0,25%, no levantamento divulgado hoje (18). Houve recuo em materiais e serviços, de 1,16% para 0,38%, e também no índice que mede os custos com a mão-de-obra, que ficou em 0,10%, ante 0,18%, em novembro.

O IGP-M do segundo decêndio deste mês compreendeu o período entre os dias 21 de novembro e 10 de outubro.
 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de Economia

VEJA MAIS