Três Lagoas, 17 de setembro
30º C
(67) 99229-0519

Ministério da Transparência e PF deflagram Operação Licitante Fantasma

Objetivo é combater fraudes no sistema Comprasnet e em licitações presenciais no Mato Grosso do Sul

Por Redação
21/03/2017 • 09h48
Compartilhar

O Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU) e a Polícia Federal (PF) deflagraram, nesta terça-feira (21), em Campo Grande, a Operação Licitante Fantasma. O objetivo é desarticular organização criminosa responsável por fraudes no sistema Comprasnet - ferramenta de pregão eletrônico do Governo Federal - e também em licitações presenciais, no Mato Grosso do Sul.

 De acordo com as investigações, nos últimos três anos foram detectadas práticas criminosas realizadas por grupo de empresários para fraudar, de forma sistemática, aquisições realizadas por meio do ComprasNet e outros certames. A organização atuava por meio de conluio para acerto de preço e fraudes nos lances efetuados. Entre os órgãos federais com licitações prejudicadas estão Exército Brasileiro, Instituto Federal do Mato Grosso do Sul (IFMS), Superintendência de Administração do Ministério da Fazenda (SAMF/MS) e Superintendência Federal de Agricultura (SFA/MS).

 Em apenas um dos certames, a investigação apurou ágio de 600% no valor unitário dos produtos adquiridos, devido à intervenção da organização criminosa. No caso de licitações, os valores oferecidos pelos vencedores eram previamente ajustados, impedindo a livre concorrência e causando prejuízos a erário.

 O nome da operação faz alusão às empresas que formalmente participavam dos processos licitatórios atuando como concorrentes, mas que na verdade eram fictícias e pertenciam ao mesmo dono. Estão sendo cumpridos quatro mandados de busca e apreensão, em residências e estabelecimentos de Campo Grande, com a participação de cinco auditores da CGU e 20 policiais federais.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews

VEJA MAIS