RÁDIOS
Três Lagoas, 24 de fevereiro

Paralisação de funcionários deixa parte da cidade sem coleta lixo

Ruas estão tomadas de lixo devido a falta da coleta que ocorre parcialmente

Por Ana Cristina Santos
15/02/2017 • 11h20
Compartilhar

Parte dos coletores de lixo que trabalham para a empresa Financial Ambiental de Três Lagoas aderiu ao movimento de paralisação por falta de pagamento. Com isso, a coleta de lixo deixou de ser realizada em alguns bairros da cidade.

A paralisação teve início na noite de segunda-feira (13), quando alguns trabalhadores resolveram cruzar os braços por não terem recebido o pagamento referente ao mês de janeiro, bem como o ticket alimentação e a bonificação.

Na terça-feira (14) a maioria dos funcionários cruzou os braços. Segundo o funcionário, Juliano Alves dos Santos, apenas sete trabalharam. Nesta quarta-feira, a maioria voltou ao trabalho, quatro continuam de braços cruzados.

JPNEWS: BANNER RCN NOTICIAS PATROCINADO ATUALIZADO 23.02.2024
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em razão da paralisação, em diversas ruas da cidade existe grande quantidade de lixo amontoados. A reportagem esteve na sede da empresa, mas ninguém quis se pronunciar sobre o assunto. Por telefone, o gerente da Financial, Cléber Augusto Nunes, disse que estava em reunião e depois retornaria. Até a publicação desta matéria, não deu uma resposta.

No final do ano passado, a prefeitura fez um aditivo no contrato com a Financial em caráter emergencial pelo valor de R$ 7,4 milhões. Atualmente a prefeitura paga R$ 670 mil/mês para a empresa. A administração municipal informou que está em dia com os repasses financeiros para a empresa, e que estaria encaminhando um ofício para a Financial solicitando informações sobre essa situação. A empresa Financial atua no município desde 2005.

Matéria editada às 11h50 para acréscimo  informações.


 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews Três Lagoas