RÁDIOS
Três Lagoas, 04 de março

Pescadores de Três Lagoas comemoram o fim da piracema e preveem lucro

Pesca foi liberada nesta quarta-feira (1º) em todos os rios de Mato Grosso do Sul

Por Kelly Martins
01/03/2017 • 12h53
Compartilhar

A partir desta quarta-feira (1º) a pesca nos rios de Mato Grosso do Sul está liberada. Com o fim da piracema, que durou quatro meses, pescadores e comerciantes de Três Lagoas comemoram a liberação da pesca e a possibilidade de lucrar mais. Mais pescado significa mais venda, como afirma Antônio Souza Farias, dono de uma peixaria, localizada no bairro Jupiá. Ele conta que nesse período teve dificuldades na comercialização, já que o estoque de peixe estava baixo e, por isso, teve que oferecer poucas opções aos clientes. 

“Quatro meses de piracema é complicado, com muita dificuldade para sobreviver. Fomos vendendo devagar e só foi liberado para pescar peixe exótico, como o tucunaré, por exemplo, o que é difícil aqui na região. Então muitas famílias do Jupiá tiveram dificuldades”, relatou. Durante a piracema, os pescadores profissionais recebem o valor de um salário mínimo do governo federal. Antônio garante que a quantia é pouca para sustentar a família. 

Agora, a expectativa de comercialização é grande, de acordo com o pescador Ailton Adilson, que prevê renda mensal em dobro. “Temos que comemorar o fim da piracema porque será possível vender mais e ganhar mais também. Foi bem difícil esse período”, declarou. A piracema iniciou em novembro e encerrou em fevereiro. Nesse período mais de 60 quilos de pescado ilegal foram apreendidos pela Polícia Militar Ambiental (PMA) e três pessoas presas na região.

No balanço divulgado pela PMA durante a Operação Piracema no estado, a fiscalização chegou a 64 autuações, somando R$ 125,7 mil em multas e 1,4 tonelada de pescado apreendido.

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews Três Lagoas