Três Lagoas, 19 de setembro
32º C
(67) 99229-0519

Presos reformam bicicletas para projeto educacional

Cerca de 200 bicicletas apreendidas foram doadas pela Justiça ao programa

Por Valdecir Cremon
14/01/2017 • 08h51
Compartilhar

Detentos da penitenciária estadual de Três Lagoas estão participando de um projeto do programa voluntário Comunidade Educa através da reforma de bicicletas apreendidas pela polícia. Iniciativa do Poder Judiciário viabiliza a cessão dos veículos a alunos da escola Marlene Noronha, instalada no bairro Jardim Maristela, zona Oeste da cidade.

Cerca de 200 bicicletas apreendidas sem documentos e que não tiveram donos identificados foram doadas pela Justiça ao programa, no final do ano passado. A cessão aos estudantes, contudo, depende de reformas e pintura que serão feitas por presos da penitenciária.

O coordenador do programa, Luan Freitas, estima que metade das bicicletas serão recuperadas. “Os detentos aproveitam peças das que não têm condições de uso nas que podem ser reformadas e pintadas”, explicou.

Doze presos trabalham na reforma dos veículos e, em troca, terão a redução de penas. A cada dia trabalhado, os presos recebem benefício de três dias de redução de sentença.
O diretor da penitenciária, Raul Augusto Ramalho, disse que a iniciativa “animou” os detentos e que a participação deles é “efetiva”, para contribuir com o Comunidade Educa e os estudantes, segundo nota emitida pela assessoria de imprensa da Secretaria municipal de Educação.

A secretária da pasta, Maria de Medeiros, disse que apoia a iniciativa. “Esse programa oportuniza aos detentos a redução das penas e contribuirá com nossas crianças”, afirmou.
As bicicletas serão entregues aos alunos como empréstimo e só permanecerá com o estudante  se ele obter boas notas e manter a frequência escolar. “Do contrário, a bicicleta será repassada imediatamente a outro aluno”, disse Luan Freitas.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews

VEJA MAIS