Campo Grande, 05 de agosto
22º C
(67) 99229-0519
CBN: 67 VINHOS

Pedreiro acusado de matar a ex vai a júri no 1° caso de feminicídio

Ele não aceitava o novo relacionamento da vítima, segundo o Ministério Público

Por Redação
15/09/2017 • 09h27
Compartilhar

O pedreiro Alex Armindo Anacleto de Souza, acusado de ter assassinado a ex-mulher Ísis Caroline da Silva Santos, 21 anos, enfrentará júri popular na próxima segunda-feira (18). Este foi o primeiro caso de feminicídio registrado em Campo Grande. A acusação será feita pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul, por meio do promotor de justiça George Zarour Cezar.

De acordo com as provas colhidas durante as investigações e a instrução processual, o acusado, que mantinha um relacionamento clandestino e conturbado com a vítima, uma vez que já havia inclusive respondido pelo crime de estupro contra a mesma, convidou-a para mais uma aventura e tomou a BR-262 sob a alegação de que passariam o final de semana na cidade de Água Clara.

No caminho, Alex e Ísis iniciaram uma discussão motivada pelo inconformismo dele diante do novo relacionamento mantido pela vítima. Diante disso, mudou o destino da viagem e acessou uma estrada vicinal no município de Ribas do Rio Pardo, local onde asfixiou a vítima por enforcamento.

O acusado ainda arrastou o cadáver para o córrego e o soltou para que fosse levado pela correnteza e o crime praticado não fosse desvendado. O pedreiro foi denunciado por homicídio qualificado, com a incidência de quatro qualificadoras: motivo torpe, asfixia, dissimulação e feminicídio, além do crime de ocultação de cadáver previsto no art. 211 do Código Penal.

A sentença de pronúncia julgou admissível a acusação para o fim de submeter a julgamento o acusado nos termos que fora denunciado. O recurso em sentido estrito interposto pela defesa foi negado, razão pela qual o acusado será levado a júri popular.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de CBN Campo Grande

VEJA MAIS