Três Lagoas, 27 de outubro
26º C
(67) 99229-0519

O Grupo RCN de Comunicação lançou a campanha 'Apae'drinhe essa Ideia” com objetivo de ajudar alunos da Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) de Três Lagoas, que neste momento de pandemia precisam ainda mais de atenção.

De acordo com o presidente da instituição, Eduardo Queiroz, com as aulas presenciais os alunos tinham três refeições por dia. Mas, neste momento de pandemia, com as aulas suspensas, as vezes em casa não recebem a alimentação completa e o objetivo é não deixar que estes alunos passem por necessidade, amparando as famílias.

“Temos muitos alunos de baixa renda que dependem da Apae para uma alimentação completa e por isso, nossos colaboradores, juntos com nossos sócios e parceiros estão se desdobrando para que possamos oferecer cestas básicas mensais para as mais de 136 famílias que dependem desta doação e estão em situação de vulnerabilidade”, diz o presidente da Apae.

JPNEWS: BANNER UNIGRAN CONTRATO 30785 DE 26.10.21 A 25.10.2022
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Eduardo lembra que os recursos atuais destinados à Apae não são suficientes para arcar com todos os custos.  “Mesmo sem as aulas presenciais, que não tem previsão de retorno até o momento, temos uma demanda grande de serviço. Mantemos  atendimentos  nutricional, psicológico, e atendimento psiquiátrico”, declara Queiroz.

'APAE'DRINHE ESSA IDEIA

Todos os sábados, durante os meses de julho e agosto membros da Associação Demolay de Três Lagoas estarão em frente aos supermercados Thomé, Nova Estrela, Big Mart, e D’Casa, para receberem doações de alimentos não perecíveis.

A doação poderá ser entregue também na sede do Grupo RCN, Daterra Imóveis, Honda Mototrês, LRG Construtora ou na Apae.

Mais informações podem ser obtidas através dos telefones, (67) 3509 7500 ou (67) 9 9251 7511.

Confira a reportagem:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews