Três Lagoas, 19 de setembro
32º C
(67) 99229-0519

Radares flagram 2,1 mil motoristas em alta velocidade nas rodovias de MS

Autuações foram feitas entre 29 de dezembro e 1º de janeiro deste ano pela PRF

Por Tatiane Simon
02/01/2018 • 15h19
Compartilhar

Radares estáticos (móveis) flagraram 2.138 motoristas trafegando em alta velocidade pelas rodovias federais de Mato Grosso do Sul, incluindo as BRs 262 e 158, que cortam Três Lagoas, entre os dias 29 de dezembro e 1º de janeiro deste ano. As informações são da Polícia Rodoviária Federal (PRF), que divulgou balanço da Operação Integrada Rodovida, período de Ano Novo, nesta terça-feira (2). A operação iniciou dia 22 de dezembro e segue até dia 18 fevereiro, por conta do grande fluxo rodoviário neste período: comemorações de fim de ano, férias escolares e Carnaval.

Segundo a PRF, além do abuso de velocidade, dirigir embriagado também ganha destaque entre as autuações neste período. A polícia realizou 2.076 testes com o “bafômetro” nas rodovias federais do Estado, 43 motoristas foram flagrados em fiscalizações com o etilômetro e nove motoristas foram presos.

Durante a Operação foram observadas 118 infrações de ultrapassagem cometidas, sendo 106 realizadas em faixa dupla contínua. A PRF registrou ainda 15 acidentes, sendo dois graves (com pelo menos um ferido ou uma pessoa morta), nove acidentes com feridos, 17 pessoas feridas e uma morte.

As autuações pelo não uso do cinto de segurança por parte dos passageiros representaram 89% das infrações deste tipo. Passageiros sem cinto representaram 73 autuações e motoristas sem o cinto 9 autuações. Crianças sem a cadeirinha ou assento de elevação resultaram em 22 autuações.

Ao todo, a PRF fiscalizou 2.892 veículos e 3.016 pessoas em uma extensão de 3.670 quilômetros de rodovias federais em Mato Grosso do Sul nestes quatro dias. 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews

VEJA MAIS