RÁDIOS
Campo Grande, 21 de maio

Síndrome de Burnout é classificada como doença ocupacional

Empresas podem ser responsabilizadas caso seja comprovada omissão na identificação e tratamento da síndrome

Por Isabelly Melo
12/01/2022 • 12h10
Compartilhar

Uma nova classificação na Organização Mundial da Saúde (OMS), que entrou em vigor neste ano, tornou a Síndrome de Burnout uma doença ocupacional. Também conhecida como síndrome do esgotamento profissional, o Burnout passou a ser considerado doença ocupacional desde 1º de janeiro, após a inclusão na classificação internacional de doenças da OMS.

Para explicar de que forma essa nova classificação muda os direitos trabalhistas e previdenciários, a CBN Campo Grande conversou com a advogada Maria Lucia Benhame, pós-graduada em direito do trabalho e previdência social.

A profissional explicou que as empresas podem ser responsabilizadas caso seja comprovada omissão na identificação e tratamento da síndrome. Confira a entrevista completa:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de CBN Campo Grande