Três Lagoas, 26 de setembro
28º C
(67) 99229-0519

Juiz Odilon de Oliveira pode disputar o Senado nas eleições de 2018

Magistrado deve se aposentar no final do ano e, então, decidir se segue carreira política

Por Ana Cristina Santos
29/07/2017 • 14h21
Compartilhar

O Juiz federal Odilon de Oliveira deve aposentar-se no final deste ano.  Desde que entrou com o pedido de aposentadoria, em março deste ano, tem tido o nome cogitado para disputar o governo do Estado ou o Senado da República nas eleições no ano que vem.

Em entrevista ao Jornal RCN Notícias da rádio Cultura (106,5MHz), o juiz disse que se sente lisonjeado com o resultado de algumas pesquisam que apontam seu nome como opção para disputar um dos cargos. No entanto, por ainda exercer o cargo de magistrado, disse que não pode manifestar-se publicamente sobre uma possível candidatura. Todavia, não descartou a possibilidade de entrar para a vida política, disputando o Senado ou ao governo do Estado.

Pela formação que tem, o magistrado disse que o seu perfil é mais compatível com o Legislativo. Ele não é filiado a nenhum partido por ainda estar no exercício da profissão, mas tem recebido convite de diversas agremiações.

Odilon acredita que até o final de dezembro deve sair sua aposentadoria. A partir daí, estaria mais “livre” para manifestar-se sobre o assunto.

Ainda durante a entrevista, o magistrado falou sobre a situação em que o Brasil atravessa em relação à corrupção, e disse que o país está “quase todo moralmente podre”, necessitando urgentemente de que as administrações públicas em todas as esferas sejam baseadas na honestidade. “Esse é um requisito que tem de haver em toda a atividade pública. A própria Constituição já estabelece transparência, que é um meio de se provar a honestidade. O Brasil tem que sofrer uma efetiva modificação nessa postura ética dos políticos”, frisou.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews

VEJA MAIS