RÁDIOS
Campo Grande, 18 de junho

Empresa de ônibus é alvo de novas denúncias

Passagem de Campo Grande a Cuiabá é vendida a R$ 215,00 e bilhete com destino a Corumbá custa R$ 278,84

Por Edir Viégas, colunista CBN-CG
21/05/2024 • 12h03
Compartilhar

Novas denúncias de desrespeito às relações de consumo vieram à tona na Assembleia Legislativa contra a empresa Andorinha de transporte de passageiros.

Dessa vez, constatou-se a discrepância no valor das passagens com relação à distância entre a origem e o destino das viagens.

Um bilhete para o trajeto Campo Grande/Corumbá, que soma 427 quilômetros, é vendido por R$ 278,84, enquanto que a passagem para Cuiabá, no Mato Grosso, com trajeto de 703 quilômetros, custa R$ 215,00.
Chama também a atenção o fato de que no trajeto entre a Capital e a cidade de Corumbá não existe mais a cobrança de pedágio, ao contrário do que ocorre no trecho entre Campo Grande e Cuiabá.

No site da companhia, constatamos que a passagem para Presidente Prudente, em São Paulo, cuja distância é de 431 quilômetros, é vendida por R$ 250,00.

Já o bilhete para a capital do estado de São Paulo, com distância aproximada de 984 quilômetros e várias praças de pedágio, está sendo vendido no site da Andorinha, em ônibus leito, por R$ 359,00, diferença a maior, portanto, de apenas R$ 80,16 com relação à Corumbá.

Essa é a segunda situação envolvendo a concessionária em possível desrespeito às relações de consumo a ser levantada na Assembleia Legislativa pelo deputado estadual Paulo Duarte (PSB).

Em março, o parlamentar denunciou que a compra de passagens pela internet é mais cara para o passageiro caso este opte pela compra no guichê da companhia. Essa situação diverge da lógica do mercado.

Confira a coluna na íntegra:

CLIQUE AQUI e siga nosso canal de notícias no WhatsApp.

Para sugerir pautas ou enviar vídeos e imagens, 
salve nosso número 67 9932 3500

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de CBN Campo Grande