RÁDIOS

POLÍTICA

Campo Grande, 20 de maio

Bolsonaristas e opositores se unem em disputa sem favoritos pelo governo local

Comentarista político do Jornal CBN Campo Grande, Adilson Trindade analisou a pulverização de apoiadores de Jair Bolsonaro entre os pré-candidatos locais

Por Nyelder Rodrigues
04/04/2022 • 16h34
Compartilhar

A dinâmica da política nacional ditou a condução da pandemia de Covid-19, os rumos da economia e até as relações familiares. Assim, não há como esconder a influência de correntes maiores também na política regional. Contudo, em 2022, o que veremos é um cenário pulverizado, com bolsonaristas dividindo-se entre as principais pré-candidaturas locais.

Quarteto de mais força apresentado até aqui na corrida pela cadeira de chefe do Executivo sul-mato-grossense, Eduardo Riedel (PSDB), Marquinhos Trad (PSD), Rose Modesto (União Brasil) e André Puccinelli (MDB) dividem as atenções e somam apoio das mais diversas correntes.

Riedel, por exemplo, subiu no palanque junto ao presidente Jair Bolsonaro na semana passada para a entrega de títulos no assentamento Itamarati, em Ponta Porã. Ele também firmou importante aliança com o PL, partido do presidente, e com o PP, sigla sob a batuta da ex-ministra Tereza Cristina, que é pré-candidata ao Senado.

Assim, o nome governista terá a benção de bolsonaristas e até mesmo de Bolsonaro para seguir na disputa, apesar de seu partido contar com pré-candidato a presidência definido. Já Marquinhos, mesmo não sinalizando que apoiará o candidato escolhido pela nacional do PSD, conta com ampla base evangélica, onde o bolsonarismo tem grande aprovação.

Rose Modesto, por sua vez, terá ao lado nomes que não concordaram com as alianças pré-estabelecidas, mas que optaram por seguir o União Brasil e o Podemos em Mato Grosso do Sul - os dois partidos que estão ao lado da pré-candidata ao governo local.

Nesse cenário também aparece André Puccinelli, que possui em sua base bolsonaristas, muitos deles servidores públicos - como policiais militares e bombeiros - que querem o retorno do ex-governador ao comando do Estado. Correndo por fora, aparece o nome de Capitão Contar, que quer o "selo" de "bolsonarista legítimo" e se filiou ao PRTB.

OPOSITORES LÁ, ALIADOS AQUI

Além do bolsonarismo pulverizado, também é possível ver opositores do atual presidente divididos entre os quatro candidatos mais fortes - o único a não contar com tais nomes é Contar, que confirmou sua pré-candidatura apenas no fim de semana passado.

Um exemplo disso é que ao lado de Riedel caminharão nomes que inclusive se opõem a Bolsonaro em Brasília (DF), como é o caso do deputado federal Dagoberto Nogueira, que estava no PDT mas migrou na janela partidária para o PSDB. Tucano com a mesma linha de pensamento é o ex-secretário de Saúde, Geraldo Resende, que saiu da pasta para se candidatar.

Já do lado de Marquinhos, há nomes que repudiam as atitudes de Bolsonaro. Um desses é o atual presidente da Câmara Municipal, Carlão, filiado ao PSB e autor de críticas recentes, mesmo sem citar o presidente. Algumas das falas são feitas, inclusive, de forma velada.

Ocorre o mesmo com Rose, que chegou a ser a principal negociadora da bancada sul-mato-grossense em Brasília para que o progressista Arthur Lira (Alagoas) fosse eleito presidente da Câmara Federal. Entre seus apoiadores consta Luiz Henrique Mandetta, ex-ministra da Saúde que saiu do governo brigado com o presidente, e um nome intimamento ligado ao PT.

Ele é Flávio Moura, que adotou o nome polítco Flávio Cabo Almi, em referência ao pai, deputado estadual petista que morreu em 2021 vítima da Covid-19. Flávio era um dos cotados para ser candidato à cadeira na Câmara Federal pelo PT neste ano, mas por ver que ali as possibilidades dele conseguir se eleger eram pequenas, preferiu migrar para o Podemos.

A mudança gerou polêmia na época, afinal, o Podemos era o partido que lançava ali a pré-candidatura a presidente da República do ex-juiz Sergio Moro, rival de Lula e nome com forte rejeição entre petistas. Semanas depois, Moro trocou o Podemos pelo União Brasil e abandonou as pretensões de ir às urnas como presidenciável por uma candidatura à deputado federal.

Por fim, no berço do emedebista André Puccinelli também repousa uma opositora ferrenha do bolsonarismo e que ganhou projeção nacional com isso: a ex-presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, Simone Tebet, hoje pré-candidata a presidenta da República pelo MDB. Vale ressaltar que ela foi vice de André no governo entre 2007 e 2010.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de CBN Campo Grande Política