RÁDIOS
Três Lagoas, 28 de fevereiro

Câmara aprova projeto para contratar 100 profissionais para atender autistas

Projeto garante a Prefeitura de Três Lagoas a criação de 100 cargos para profissionais formados em pedagogia

Por Ana Cristina Santos
09/12/2023 • 14h46
Compartilhar

Durante a sessão ordinária da Câmara Municipal de Três Lagoas, realizada nesta semana, os vereadores analisaram vários projetos de lei. Entre eles, o que autoriza a prefeitura criar 100 cargos para profissionais formados em pedagogia para atender os alunos autistas da Rede Municipal de Ensino, a partir de 2024. 

As contratações serão feitas por meio de processo seletivo que será aberto neste mês, segundo o líder do prefeito na Câmara, Antônio Empeke Júnior, o Tonhão. Os profissionais serão contratados por um salário de R$ 4.420, para uma carga horária de 40h semanais.

Em janeiro, a Secretaria de Educação realizará censo de capacitação para os profissionais, afim de estarem preparados para o início do ano letivo de 2024. Segundo o líder do prefeito na Câmara, Antônio Empeke Júnior, o processo seletivo terá validade de 2 anos. A ideia é que depois a prefeitura realize concurso público para a ocupação dessas vagas.

A contratação desses profissionais atende reivindicação das mães de alunos autistas de Três Lagoas, que sempre reclamaram da falta de um profissional com conhecimento na área para auxiliar no ensino e aprendizagem dos estudantes autistas. 

Neste ano, representantes da Associação de Mães de Autistas (AMA) e outras entidades realizaram manifestações na Câmara Municipal, reclamando da falta de diagnóstico, assim como de amplo atendimento escolar e de terapias necessárias para buscar o desenvolvimento dos filhos. A contratação desses profissionais, de acordo com os vereadores, é o primeiro passo para melhorar o atendimento para os autistas.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews Três Lagoas