RÁDIOS
Três Lagoas, 15 de julho

Injúria racial pode ser crime de racismo

Plenário do Senado aprovou nesta quinta-feira (18) o projeto

Por Ana Cristina Santos
20/11/2021 • 11h00
Compartilhar

O Plenário do Senado aprovou nesta quinta-feira (18) o projeto que tipifica a injúria racial como crime de racismo (PL 4.373/2020). De autoria do senador Paulo Paim (PT-RS) e relatado pelo senador Romário (PL-RJ), o projeto também aumenta a pena para o crime e segue para a análise da Câmara dos Deputados.

A proposta alinha a legislação ao entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) que, em julgamento, já decidiu dessa forma. O texto incorpora ao Direito Penal o que o STF e tribunais e juízes em todo o Brasil já vêm consolidando: a injúria racial é crime de racismo e como tal deve ser tratada, em todos os seus aspectos processuais e penais. O projeto retira a menção à raça e etnia do item específico do Código Penal (art. 140) e insere novo artigo na Lei de Crimes Raciais, definindo pena de multa e prisão de dois a cinco anos. O projeto cita injúria por “raça, cor, etnia ou procedência nacional”. Hoje, o Código Penal prevê pena de um a três anos de cadeia, além da multa.

Na justificação, Paim argumenta que a injúria racial não é mencionada na Lei de Crimes Raciais, de 1989, embora esteja prevista no Código Penal. Ele registra que a injúria racial não estaria plenamente equiparada aos delitos definidos no

Código Penal, e que, por definição constitucional, são imprescritíveis e inafiançáveis. “Aprovamos o projeto que tipifica a injúria racial como racismo. Votação às vésperas de comemorar o Dia da Consciência Negra (20 de novembro) tem um significado especial. É uma resposta do Senado ao racismo estrutural do país, em respeito à dignidade e a autoestima das pessoas ofendidas. Nossa luta é pelo fim da discriminação e preconceito”, disse a Senadora Simone Tebet (MDB).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews Três Lagoas