RÁDIOS
Três Lagoas, 14 de abril

Prefeitura diz que operação investiga contrato da gestão passada

Em nota, prefeito afirma que os servidores estão colaborando e à disposição das autoridades

Por Ana Cristina Santos
28/05/2019 • 11h46
Compartilhar

A Prefeitura de Três Lagoas emitiu uma nota à imprensa sobre a Operação Atalhos deflagrada na manhã desta terça-feira (28) pela Polícia Federal.

A operação investiga denúncia de irregularidades que teriam acontecido em licitações na gestão anterior.

Em nota, o prefeito Ângelo Guerreiro (PSDB)afirma que os servidores estão colaborando e à disposição das autoridades. Informou também “que todos os procedimentos licitatórios do município são realizados em estrita observância ao interesse público, respeitando todos os parâmetros legais vigentes e está à disposição das autoridades competentes oferecendo todo o suporte visando à elucidação dos fatos, colaborando assim com as investigações.”

JPNEWS: BANNER RCN NOTICIAS PATROCINADO ATUALIZADO 27.03.2024
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ao todo, serão cumpridos 21 mandados busca e apreensão, expedidos pela Justiça Federal de Três Lagoas. Os mandados são cumpridos em Três Lagoas, Campo Grande e Naviraí , e também em municípios do Estado de São Paulo, Luís Antônio e Americana.

Segundo a Polícia Federal, as investigações demonstraram ilegalidades em três procedimentos licitatórios relacionados ao transporte escolar, com recursos federais oriundos do Pnate (Programa Nacional de Transporte Escolar).

Os procedimentos licitatórios e os contratos de prestação de serviços são decorrentes de licitações referentes aos anos de 2015 a 2017. Os processos e contratos públicos sob investigação alcançaram cerca de R$ 12 milhões, sendo que até o momento já foi identificado sobrepreço contratual de aproximadamente R$ 1,6 milhão, em razão dos direcionamentos.

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews Três Lagoas