RÁDIOS
Três Lagoas, 24 de abril

Programa Desenrola Fies possibilita negociações até 30 de maio

O desenrola é destinado a quem está com parcelas em atraso e garante descontos de até 99%

Por Sidney Cardoso
03/04/2024 • 09h43
Compartilhar

Em novembro de 2023, o Governo Federal, por meio do Ministério da Educação, lançou a campanha "Desenrola Fies", com o objetivo de auxiliar os beneficiários do fundo de financiamento estudantil (Fies) na renegociação de suas dívidas com o programa.

O prazo para as negociações vai até 30 de maio. O programa é destinado a quem está com parcelas em atraso e garante descontos de até 99% no valor consolidado da dívida. Desde novembro, tanto o Banco do Brasil quanto a Caixa Econômica estão com condições de renegociação.

O coordenador de concessão do financiamento estudantil (FNDE), Rafael Tavares, explicou que os estudantes devem fazer a renegociação para aproveitar os bons descontos que o programa oferece. “É uma oportunidade para que esses estudantes financiados possam ter seus nomes retirados dos cadastros restritivos de créditos, e acabem de vez com toda a sua dívida”, orientou Tavares.

JPNEWS: BANNER RCN NOTICIAS PATROCINADO ATUALIZADO 27.03.2024
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo estimativa do Governo Federal, cerca de 1,2 milhão de estudantes se encontram inadimplentes com o programa de financiamento estudantil para o ensino superior (Fies).

As dívidas são referentes a contratos celebrados até 2017 e com inadimplência até 30 de junho de 2023. E quem deseja regularizar a dívida, devem procurar os bancos e aproveitar as oportunidades oferecidas pelo “Desenrola Fies”.

As ofertas de negociações e simulações estão disponíveis por meio do aplicativo dos bancos, e também pelo WhatsApp. No caso da caixa, o número é o 0800-104-0104, já o do banco do brasil é o telefone (DDD) 61 4004-0001.

Confira na reportagem abaixo: 

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews Três Lagoas