RÁDIOS
Três Lagoas, 28 de fevereiro

Projeto garante isenção da taxa de lixo em 2024

A taxa de lixo começou a ser cobrada em 2023, mas devido as reclamações dos moradores, contrários a mais um imposto, foi suspensa a cobrança

Por Ana Cristina Santos
09/12/2023 • 09h28
Compartilhar

Ainda na sessão da Câmara Municipal desta semana, os vereadores aprovaram projeto de lei que dispõe sobre a isenção da taxa de serviço de coleta, remoção, transporte e destinação final de lixo ou resíduos para o exercício de 2024 dos residentes em Três Lagoas.

O projeto formaliza o compromisso do Legislativo e Executivo com a isenção da taxa de lixo até o mês de dezembro de 2024. Na mensagem enviada à Câmara, o prefeito Ângelo Guerreiro destaca que tal medida é extensiva a todos os contribuintes, seja para propriedades residenciais ou comerciais, aliviando a carga tributária para aliviar o orçamento familiar, além de promover práticas sustentáveis no município.

Anexo a proposta foi encaminhado um estudo do impacto orçamentário e financeiro, elaborado pela Secretaria Municipal de Finanças, Receita e Controle. O referido estudo destaca a viabilidade econômica da medida, bem como as ações de compensação de receita previstas para mitigar os efeitos da renúncia fiscal.

A taxa de lixo começou a ser cobrada neste ano, mas devido as reclamações dos moradores contrários a mais um imposto foi suspensa a cobrança, mediante compromisso da Câmara, que reduziu de 6% para 4% o percentual do repasse do Executivo para o Legislativo Municipal. Outra medida para economizar e garantir o custeio do serviço da coleta de lizo, foi a redução do número de vereadores de 17 para 15. Devido ao aumento de habitantes, Três Lagoas poderia ter 19 vereadores na próxima legislatura, mas o Legislativo resolveu diminuir para 15, ao invés de aumentar o número de cadeiras.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews Três Lagoas