RÁDIOS
Três Lagoas, 24 de abril

Projeto vai ceder imagens em tempo real à polícia para coibir furtos em Três Lagoas

Atualmente, 48 câmeras já estão monitorando alguns pontos, mas o objetivo é que toda a cidade seja vigiada

Por Sidney Cardoso
26/02/2024 • 12h32
Compartilhar

Empresários da região Central de Três Lagoas criaram o “Projeto Cidade Segura”, que está instalando um sistema de câmeras de segurança em pontos estratégicos, para coibir a onda de furto que assusta os três-lagoenses.

O sistema possibilita identificar se a pessoa é foragida ou possui pendência com a Justiça. O projeto vai ceder as imagens em tempo real para as forças de segurança pública, como a Polícia Militar e Polícia Civil.

O monitoramento vai ajudar no tempo de resposta e, também, nas investigações para prender os autores de furtos nas lojas no Centro da cidade, como explicou o presidente do conselho de segurança, Eurides Silveira.

JPNEWS: BANNER RCN NOTICIAS PATROCINADO ATUALIZADO 27.03.2024
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Aproximadamente, em dez dias essa onda de furto vai acabar, porque os suspeitos já foram mapeados. E essa parceria com as câmeras vai facilitar o trabalho da Polícia Civil, Polícia Militar e do próprio empresário”, pontou Eurides Silveira.

Para o empresário, Rodrigo Siharata, que já aderiu a instalação das câmeras em sua loja, onde atua com produtos de alto valor, o sistema vai ajudar na prevenção. “Quero um tipo de monitoramento preventivo, quando a câmera identificar um potencial problema, o ‘ronda’ deles já vem solucionar”, contou. 

A maioria dos furtos acontecem na madrugada. Atualmente, 48 câmeras já estão monitorando alguns pontos, mas o objetivo é que toda a cidade seja monitorada e as polícias tenham acesso as imagens o quanto antes.

Confira na reportagem abaixo: 

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews Três Lagoas