RÁDIOS
Campo Grande, 16 de agosto

Consumo das famílias cresce, mas fica abaixo do satisfatório

Indicador ainda não recuperou os níveis registrados antes da pandemia na capital

Por Bruno Nascimento
03/08/2022 • 18h49
Compartilhar

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) campo-grandenses atingiu 96,1 pontos no último mês. O indicador divulgado nesta quarta-feira (3), é resultado de uma pesquisa mensal realizada pela Confederação Nacional do Comércio para medir o grau de satisfação (acima de 100 pontos) e de insatisfação dos consumidores (até 99 pontos) como forma de antecipar o potencial de vendas do setor. Foram entrevistadas 500 famílias que apontaram a ICF em grau insatisfatório, mas esse é o melhor indicador dos últimos quatro meses.

Desde abril de 2020, a pontuação na capital sul-mato-grossense permanece abaixo dos 100 pontos, mas em julho de 2020, o desempenho foi bem superior ao de julho de 2021, quando o indicador ficou em 84,8 pontos, além de estar acima da atual média nacional de 80,7 pontos.

De acordo com a economista da Fecomércio-MS, Regiane Dedé de Oliveira, as famílias campo-grandenses pretendem aumentar o consumo neste segundo semestre e isso se deve a alguns fatores, entre eles a queda no preço de itens básicos como a gasolina e a energia elétrica. “Essa economia, principalmente no combustível, reflete no comércio de uma forma geral”, explica Regiane.

A pesquisa de Intenção de Compras das Famílias investiga, junto aos consumidores, as avaliações que eles fazem sobre sete itens: emprego atual, perspectiva profissional, renda atual, facilidade de compra a prazo, nível de consumo atual, perspectiva de consumo no curto prazo e oportunidade para compra de bens duráveis. Todas as avaliações podem ser analisadas separadamente e também de forma segmentada em dois níveis de renda, para quem ganha até 10 salários mínimos e para quem ganha acima desse valor.  

O que chama a atenção nos resultados das entrevistas é que a maioria das famílias com renda até 10 salários mínimos (71,2%) não vê o atual momento da economia como bom para a compra de bens duráveis. Metade dessas famílias (50,9 %) também disse que teve queda no consumo em comparação com o ano passado. Já 27% das famílias com renda acima de 10 salários mínimos disseram que reduziram o consumo este ano e 53% afirmaram que este não é um bom momento para a compra de bens duráveis.

CBN: BANNER CBN EM AÇÃO DE 20.07 A 16.08
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Envie fotos, vídeos ou sugestões para a CBN Campo Grande,

pelo Whatsapp (67) 99932-3500.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de CBN Campo Grande