RÁDIOS
Campo Grande, 28 de fevereiro

"Uma infeliz decisão do STF", avalia advogado de MS

Tese jurídica aprovada pelo Supremo admite responsabilizar imprensa por acusação falsa de entrevistado

Por Redação CBN-CG
29/11/2023 • 19h00
Compartilhar

O advogado André Borges, especialista em Direito Constitucional e ex-conselheiro da OAB-MS, foi enfático ao se posicionar sobre a decisão, nessa quarta-feira (29), do Supremo Tribunal Federal (STF) que permite a responsabilização de veículos de imprensa pela publicação de entrevistas nas quais sejam imputados falsamente crimes contra terceiros.

"Eu discordo dessa decisão do Supremo porque a Constituição da República no artigo 20 diz que os órgãos de imprensa não sofrerão qualquer restrição. O artigo vai além e diz que não é admitida qualquer espécie de censura pública", disse Borges que já foi presidente da Comissão de Exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MS), atuando como secretário-geral da Escola Superior de Advocacia.

A decisão do STF veda a censura prévia, mas, no entendimento dos ministros, se um entrevistado acusar falsamente outra pessoa, a imprensa poderá ser responsabilizada judicialmente.

CBN: BANNER CBN GUARUJA AGRO
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Na hipótese de publicação de entrevista em que o entrevistado imputa falsamente prática de crime a terceiro, a empresa jornalística somente poderá ser responsabilizada civilmente se na época da divulgação, havia indícios concretos da falsidade da imputação, e o veículo deixou de observar o dever de cuidado na verificação da veracidade dos fatos e na divulgação da existência de tais indícios", decidiu o Supremo ao aprovar uma tese jurídica, elaborada pelo ministro Alexandre de Moraes.

A tese de Moraes recebeu mudanças propostas pelos ministros Luís Roberto Barroso, Cármen Lúcia e Cristiano Zanin e também abre brecha para a retirada de conteúdos publicados nas redes sociais que forem considerados inverídicos.

Outro trecho provado, define que o princípio constitucional da liberdade de imprensa impede a censura prévia de conteúdos publicados. No entanto, após a publicação, fica admitida a possibilidade de retirada de conteúdos que contenham informações comprovadamente "injuriosas, difamantes, caluniosas e mentirosas".

A sugestão de inclusão da possibilidade da retirada de conteúdo foi levantada pelo ministro Cristiano Zanin. "A clássica questão da liberdade de imprensa, abuso eventual e excepcional, era em relação a jornais e periódicos. Então, depois de publicados, a responsabilização acabava porque o jornal era daquele dia. Hoje, com as redes sociais, nós vimos isso nas eleições, aquele conteúdo continua", afirmou Moraes.

Nesse sentido, o texto aprovado no STF diz que "a plena proteção constitucional à liberdade de imprensa é consagrada pelo binômio liberdade com responsabilidade, vedada qualquer espécie de censura prévia, porém admitindo a possibilidade posterior de análise e responsabilização".

O advogado André Borges contesta a decisão e afirma que cabe recurso contra a decisão do STF, chamado de "embargos de declaração", para que o Supremo esclareça melhor a decisão ou reduza seu âmbito de aplicação.

Advogado André BorgesAdvogado André Borges

"Essa decisão impõe aos órgãos de imprensa um ônus muito pesado de realizarem, ao mesmo tempo em que a entrevista está sendo divulgada, uma espécie de auto-censura, bloqueando e deixando de divulgar entrevistas que possam conter difamações, injúrias ou calúnias. Não é assim que deve ser decidido. Posteriormente à divulgação da entrevista, aquele que realizou o ato ilícito, o entrevistado, e somente o entrevistado, é que deve ser responsabilizado. Pelo menos era assim, até essa infeliz decisão do Supremo Tribunal Federal", concluiu Borges.

Entenda o caso

A decisão do Supremo foi baseada em ação na qual o ex-deputado federal Ricardo Zarattini Filho processou o jornal Diário de Pernambuco por danos morais, em função de uma reportagem publicada em 1995. Na matéria jornalística, o político pernambucano Wandenkolk Wanderley afirmou que Zarattini, morto em 2017, foi responsável pelo atentado a bomba no aeroporto de Recife, em 1966, durante a ditadura militar.

Ao recorrer à Justiça, a defesa de Ricardo Zarattini disse que Wandenkolk fez acusações falsas e a divulgação da entrevista gerou grave dano à sua honra. Segundo ele, o jornal reproduziu afirmação falsa contra ele e o apresentou à opinião pública como criminoso.

O Diário de Pernambuco alegou no processo que a publicação da entrevista se deu no âmbito da liberdade de imprensa, protegida pela Constituição.

O jornal foi condenado pela primeira instância ao pagamento de indenização de R$ 700 mil. Em seguida, o Tribunal de Justiça de Pernambuco anulou a condenação do jornal e entendeu que o periódico apenas reproduziu as falas de Wandenkolk Wanderley e não fez qualquer acusação a Zarattini.

Posteriormente, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) revalidou a condenação, e o caso foi parar no Supremo, que manteve a condenação do jornal ao entender que a publicação atuou com negligência sem, ao menos, ouvir Zarattini.

A análise do caso foi finalizada em agosto no Plenário Virtual. A tese, no entanto, estava pendente, porque embora a maioria dos ministros tenha entendido pela possibilidade de responsabilização, havia divergência sobre quais circunstâncias permitiam a condenação.

Ficaram vencidos os votos do relator original, ministro Marco Aurélio (aposentado), e a ministra Rosa Weber (aposentada). Eles consideraram na época que, se a empresa jornalística não emitir opinião sobre a acusação falsa, não deve estar sujeita ao pagamento de indenização.

Agora, esses novos critérios serão aplicados a pelo menos 119 casos semelhantes que aguardavam a definição do Supremo.

*Com informações da Agência Brasil e Conjur

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de CBN Campo Grande