RÁDIOS
Campo Grande, 26 de junho

Vereador acusado de agredir mulher e derrubar bebê escapa de cassação

Diego Carcará recebeu oito votos contra sua cassação e nem protesto de mulheres mudou ideia dos parlamentares

Por Nyelder Rodrigues
24/05/2022 • 16h30
Compartilhar

Com apenas um voto a favor de sua cassação, outro nulo e oito contrários, o vereador Diego Cândido Batista, conhecido como Diego Carcará (PSD), seguirá normalmente seu mandato na Câmara Municipal de Fátima do Sul. Carcará é acusado de agredir fisicamente sua esposa e, durante o ato, derrubar o filho que estava no colo da mulher.

Diego ficou 19 dias preso por causa do violência doméstica e teve seu pedido de cassação votado nesta terça-feira (24), em regime secreto. Assim, não foi possível saber de onde veio o voto nulo e nem o voto favorável a cassação do mandato.

Porém, cabe ressaltar que a Câmara de Fátima do Sul conta com 11 vereadores, sendo apenas uma mulher: Silvana Vasconcelos, do MDB. Diego chegou a ser afastado do cargo e por questões obvias não pode votar em seu processo de cassação. 

TODAS AS PRAÇAS: BANNER FORUM CBN
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nem mesmo a presença de várias mulheres que foram até a sessão e protestaram contra a situação de violência doméstica, chegando a interromper a sessão por alguns instantes, foi capaz de impedir o resultado contrário a cassação.

O CASO

Preso no dia 23 de janeiro  acusado de bater na mulher e na enteada com chinelo,  Carcará reassumiu cadeira na Câmara de Fátima do Sul no dia 3 de março. O vereador ficou preso durante 19 dias, sendo 15 deles na PED (Penitenciária Estadual de Dourados).

A liberdade foi concedida pelo juiz da comarca de Fátima do Sul, mas Diego teve de cumprir medidas cautelares. Ele não pode, por exemplo, frequentar bares, sair depois das 18h de casa e tem de manter distância mínima de 100 metros da ex-mulher.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de CBN Campo Grande