RÁDIOS
Três Lagoas, 20 de maio

Arroz, feijão e carne bovina apresentam variação de 60%

Órgão pesquisou os valores em nove supermercados de Três Lagoas

Por Flávio Veras
14/05/2022 • 15h00
Compartilhar

Oarroz, feijão e carne bovina, itens básicos na mesa dos brasileiros, podem ter uma variação de até 60% nos preços, de um mercado para outro, de acordo com pesquisa realizada pelo Programa Municipal de Defesa do Consumidor de Três Lagoas (Procon-TL). Além disso, o levantamento aponta que o conjunto de alimentos nos estabelecimentos comerciais com preços mais elevados, podem custar até R$ 90, o quilo. 

A alta na inflação vem impulsionando aumentos ou mantendo os preços em patamares elevados da cesta básica. No caso do arroz, o menor valor encontrado foi de R$ 19,49 e, o maior, R$ 25,80. Já o feijão foi encontrado pelos pesquisadores com o menor preço de R$ 6,99 e o maior, de R$ 11,80. Por fim, a carne de primeira, o maior valor encontrado foi de  R$ 42,99, e o menor, R$ 34,48. Já nos cortes considerados de segunda, o menor foi de R$ 19,98 e o maior, R$ 32,49. 

De acordo com a supervisora técnica do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos de Mato Grosso do Sul (Dieese-MS), Andreia Ferreira, são diversos os fatores que mantêm o nível dos itens da cesta básica com preços altos. Ainda conforme a supervisora, essas elevações tiveram início em 2019. “Essas sucessivas altas, não tem apenas uma causa. Entre as causas, identifica-se o abandono da armazenagem de alimentos, que era realizado pelo Governo Federal; real desvalorizado frente ao dólar e a crise hídrica, que impactou nas tarifas de energia e fez a produção de alimentos diminuir. Diante disso, a tendência é que não haverá queda nos preços nos próximos meses”, explicou.

De acordo com o Procon-TL, a pesquisa foi realizada no último dia 09/05 em nove supermercados da cidade.

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews