Três Lagoas, 18 de setembro
29º C
(67) 99229-0519

Campanha contra a gripe vacinou 33% do público-alvo

Faltando menos de duas semanas para o fim da campanha, procura por vacina ainda é pequena

Por Sergio Colacino
15/05/2017 • 15h50
Compartilhar

A menos de duas semanas do fim da campanha de vacinação contra a gripe, 33% do público-alvo foram vacinados em Três Lagoas. Das quase 29 mil pessoas do grupo prioritário, apenas 9.379 foram imunizadas até agora. A campanha vai até o dia 26 de maio e todos os grupos estão longe de chegar à meta do Ministério da Saúde, que espera alcançar 90% de imunização.

Os idosos foram os que mais receberam as doses em Três Lagoas (3.903), mesmo assim o numero representa apenas 39% dos que devem ser imunizados. Além disso, são esperadas sete mil crianças e até agora 3.481 receberam a vacina, menos de 50% do total. “No ano passado, a procura foi maior. Tivemos o ‘Dia D’ no sábado e mesmo assim poucas pessoas procuraram os postos”, lamenta a coordenadora do Setor de Imunização, Humberta Azambuja, que aponta o baixo número dos casos de gripe como fator pelo fraco movimento. “Em 2016 tivemos algumas mortes causadas pela gripe, inclusive no estado, e como esse ano está muito mais tranquilo, a procura está sendo menor. Mas não podemos baixar a guarda, porque a sazonalidade da gripe é a cada dois anos, então quem não se imunizar este ano está mais propício a contrair a doença no ano que vem”, completa.

Até o dia 26, todos os postos de saúde seguem aplicando as doses para os grupos prioritários, que são crianças de 6 meses até 5 anos; pessoas com 60 anos ou mais; trabalhadores de saúde; povos indígenas; gestantes, mulheres no período até 45 dias após o parto (puérperas); população privada de liberdade; funcionários do sistema prisional; pessoas portadoras de doenças crônicas e professores.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews

VEJA MAIS