Três Lagoas, 20 de setembro
34º C
(67) 99229-0519

Comissão vai analisar valores do IPTU 2017

Imposto foi lançado em 2016, na administração passada

Por Ana Cristina Santos
22/04/2017 • 09h10
Compartilhar

A Prefeitura de Três Lagoas criou uma comissão para analisar os valores venais do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) 2017. O imposto foi lançado em 2016, na administração passada, porém, quando os carnês foram emitidos no começo deste ano, a prefeitura recebeu várias reclamações relativas aos valores cobrados.

Devido às reclamações, foi criada essa comissão, formada por funcionários da prefeitura e representantes da Associação dos Corretores de Imóveis. Segundo Juscelino Alves de Carvalho, diretor técnico de Receita do Setor de Tributação da prefeitura, o objetivo da comissão é levantar e sugerir possíveis alterações em relação aos valores venais do imposto dos imóveis não edificados.

Segundo Carvalho, em um mesmo bairro da cidade, por exemplo, houve cobranças diferentes do valor venal. “Houve disparidade de preço. Não teve um embasamento, por isso vamos revisar”, disse, ressaltando que, o contribuinte que já pagou, e entrou com o pedido de impugnação na prefeitura, pode ter o valor restituído.
De acordo com o diretor de Administração Tributária da prefeitura, Toniel Carlos Fernandes, em alguns casos, foi comprovada uma diferença de 100% do valor cobrado de um imóvel em relação a outro, localizados na mesma rua. “Quando o Guerreiro assumiu foi uma surpresa. Percebemos uma disparidade de valores de um imóvel vizinho do outro. Por isso, no começo do ano, foi pensado na criação dessa comissão para analisar essas possíveis irregularidades”, acrescentou.

Segundo os responsáveis pelo Setor de Tributação, os contribuintes que tiverem algum questionamento sobre o imposto, devem procurar a prefeitura para verificar o que houve.

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews

VEJA MAIS