RÁDIOS
Três Lagoas, 13 de julho

Em Três Lagoas, 266 mulheres são vítimas de relações abusivas

O Centro de Referência de Atendimento à Mulher (Cram) oferece apoio financeiro e jurídico às vítimas da violência

Por Sidney Cardoso e Emerson William
15/06/2024 • 16h00
Compartilhar

Ciúmes excessivos, xingamentos, manipulações, agressões e ameaças são algumas das violências físicas, verbais e psicológicas sofridas por milhares de pessoas em relacionamentos abusivos. As mulheres são as principais vítimas. Segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública 28,9% das brasileiras, o que corresponde a 18 milhões de mulheres, sofrem algum tipo de violência ou agressão no Brasil. 

Em Três Lagoas, o número de pessoas que vivenciam essa violência cresce a cada ano. Em 2024, o Centro de Referência de Atendimento à Mulher (Cram) do município atendeu 266 pessoas vítimas de relacionamentos abusivos. Em 2022, foram 809 atendimentos e, em 2023, subiu para 852. Segundo especialistas, muitas vezes as pessoas sofrem essa violência de maneira oculta e discreta. 

Em entrevista ao Jornal do Povo, uma vítima que não quis ser identificada contou que sofreu relacionamento abusivo, com xingamentos, manipulações e ameaças motivados por ciúmes, que depois resultaram em agressões físicas. Ela tentou conseguir ajuda, mas disse que houve momentos em que as pessoas a presenciaram apanhando do marido, dentro de casa, e ninguém fez nada. Com medo, fugiu do estado com os filhos e encerrou as relações com familiares. 

JPNEWS: BANNER FAMÍLIA É TUDO 14.05 A 23.12.2024
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Quando eu ia para o trabalho, eu tinha que ligar para ele [marido] por chamada de vídeo e mostrar saindo e entrando no ônibus e, filmar quem estava do meu lado. Se fosse homem, tinha que mudar de lugar, porque já era motivo. Tinha que filmar também meus momentos de refeição. Para mim, via como uma preocupação dele, mas minhas amigas falavam que ele estava me pressionando. Quando eu chegava em casa, só de vê-lo, já passava mal. Comecei a ter crises de ansiedade e depressão. Fui demitida do trabalho e comecei tratamento psiquiátrico", contou a vítima. 

Um relacionamento saudável é composto por respeito, companheirismo e sinceridade, além de amor. Mas, há situações em que as relações ultrapassam as  barreiras e se tornam tóxicas e violentas, o que pode gerar traumas e deixar as vítimas em situações de desamparo. Um dos principais motivos para o agressor cometer esse tipo de abuso pode estar ligado ao ciclo de repetição vivenciado em um núcleo familiar, algo que pode ser considerado como uma "cultura da violência" no Brasil. 

Segundo a psicanalista, Sheilla Cordeiro, um relacionamento abusivo se caracteriza quando há excesso na relação entre duas pessoas, tanto para homens quanto para mulheres. "Considerando o aspecto de violência física, psicológica, patrimonial e sexual, o relacionamento abusivo está ligado ao que excede, aquilo que não é natural e normal do cotidiano, o que também causa sofrimento e desconforto", explicou.

Como identificar

O primeiro passo é identificar que está sendo vítima de uma violência e tentar buscar por apoio, mas outras circunstâncias podem dificultar uma solução. Em Três Lagoas, o Centro de Referência de Atendimento à Mulher atua na proteção e apoio às mulheres vítimas de relacionamento abusivo e outras violências. O Cram oferece apoio psicológico e faz encaminhamentos para a vítima em auxílios financeiros e jurídicos, por exemplo.

Veja na reportagem abaixo: 

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews Três Lagoas