RÁDIOS
Três Lagoas, 26 de junho

Empresários de MS querem fortalecer produtos regionais nos Emirados

Empresa 067 Vinhos encontrou oportunidade de produtores para o mercado externo e pretende fortalecer o nome de MS no exterior

Por Ingrid Rocha 
22/05/2022 • 07h00
Compartilhar

A 067 Vinhos é uma empresa sul-mato-grossense que vem abrindo horizontes para produtores brasileiros. Segundo Jonas Eduardo do Nascimento, sócio- proprietário da empresa, diz que foram surpreendidos ao descobrir que nos Emirados Árabes Unidos o vinho é muito consumido e que além disso, perceberam como os produtos brasileiros são muito valorizados no Oriente Médio. Em meio a esse cenário, a empresa pretende agora fortalecer o nome de Mato Grosso do Sul no exterior e mostrar aos produtores locais as grandes oportunidades que os aguardam fora do Brasil. Para atingir os objetivos, o empresário acredita na força do conhecimento, pois ao ter acesso às informações, o produtor começa a valorizar ainda mais o próprio trabalho.

Como a 067 Vinhos está olhando o mercado dos Emirados Árabes? 

Jonas Eduardo do Nascimento: As pessoas até se surpreendem porque é um mercado que na teoria acredita-se que não tem um consumo forte de vinhos. Mas descobrimos que é o contrário disso, eles consomem vinhos do mundo inteiro, inclusive eu fiz pessoalmente pesquisa visitando vários centros de distribuição de vinhos localizados nos Emirados Árabes Unidos. Nós percebemos que boa parte dos vinhos consumidos lá não era brasileiro e vimos uma oportunidade. Conforme começamos a navegar pelo vinho percebemos também outras oportunidades: a alimentação. Como nós sabemos, o Brasil em si é um grande produtor na área de alimentos, tanto carnes, como grãos. Então, por que não conectar, já que temos portas abertas no mercado árabe? O pequeno, médio e micro produtor com esse mercado que respeita, paga justamente, porque entende a qualidade e valoriza o produto brasileiro. Nós estamos começando pelo mercado sul-mato-grossense. Já estamos em contato com as entidades de classe, mostrando as nossas intenções e já começamos a sentir retorno. Temos total condições de fazer essa conexão hoje através da Pantanal Trading, que é um braço da 067 Vinhos.

TODAS AS PRAÇAS: BANNER FORUM CBN
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Então, é uma oportunidade de parceria com outros empresários também?

Nascimento: Exatamente. A parceira muitas vezes causa até estranheza “por que eles estão fazendo isso?”, porque realmente nós somos sul-mato-grossenses e temos orgulho disso. Tanto que brevemente  estaremos abrindo um novo empreendimento no mercado árabe, com o nome 067 Wines para que, justamente as pessoas perguntem “por que 067?”, esse é o código do nosso Mato Grosso do Sul, o Estado que tem o Pantanal, que tem uma cultura que é forte no agro.

Então, não é só a 067 Vinhos, é o pequeno produtor, é o micro e médio produtor, aquele que tem a mão na terra mesmo, mas talvez se não fosse essa ação da 067 nesse momento ficaria extremamente distante da possibilidade de ter o seu produto comercializado num local onde as pessoas valorizam tanto. 

E por isso, então, para vocês é também importante promover esse tipo de discussão, já que a 067 é parceira do Grupo RCN nesse ciclo de palestras e encontros em 2022. 

Nascimento: Sim, o produtor precisa ser valorizado e também de autovalorização. A informação, por exemplo, desse canal [RCN Agro], pode mostrar para ele o quanto é importante e deixar claro a relevância do que ele faz, no que se dedica como produtor.

Quando nós chegamos na Gulfood [maior feira do setor de alimentos e bebidas do Oriente Médio], em Dubai, nós vimos lá produtores de Mato Grosso do Sul na feira. Então, muitas vezes nem sabemos quem são, onde eles estão, como estão fazendo, quais foram as suas dificuldades. A 067 e a Pantanal Trading estão aqui justamente pra ser essa ponte, pra mostrar que não é tão difícil, basta você querer. 

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews