RÁDIOS
Três Lagoas, 13 de julho

Estudo da concessão de trechos de rodovias de MS é concluído

Governo de MS já recebeu o estudo que prevê a concessão de diversos trechos de rodovias no estado, incluindo a BR-262

Por Ana Cristina Santos
18/06/2024 • 08h58
Compartilhar

Na semana passada o governador, Eduardo Riedel se reuniu com o Conselho Gestor do Escritório de Parcerias Estratégicas (EPE), com o objetivo de apresentar o estudo final para a concessão de diversos trechos de rodovias no estado, incluindo MS-040, MS-338, MS-395, a BR-267 e BR-262.

De acordo com o estudo, está previsto que a concessão atraia investimentos privados na ordem de R$ 8,7 bilhões. O governador disse que, após os estudos, agora é viabilizar recursos para essa concessão.

A concessão dessas rodovias visa melhorar a infraestrutura viária do estado, promovendo o desenvolvimento econômico regional. O investimento privado será fundamental para a modernização e manutenção das rodovias, garantindo melhor qualidade e segurança para os usuários.

JPNEWS: BANNER  CASA DOS SONHOS CONTR. 28807 01.02 A 31.10.2024 ATUAL. 05.04.2024
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com o estudo, a intenção do governo do estado é entregar à iniciativa privada as seguintes rodovias: MS-040 -trecho de Campo Grande a Santa Rita do Pardo; MS-338- trecho de  Santa Rita do Pardo ao  entroncamento da MS-395;MS 395 - trecho do entroncamento da MS-338 até  Bataguassu; e as rodovias federais BR-262 - trecho de Campo Grande a Três Lagoas; e BR-267 - trecho de Nova Alvorada do Sul a  Bataguassu.

Além de conhecer a modelagem técnico-operacional dos novos ativos do Estado, ficou estabelecido que até o final de julho sejam realizadas as consultas e audiências públicas para que as partes envolvidas sejam ouvidas na construção dos projetos de concessões.

Veja a reportagem abaixo:

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews Três Lagoas