Três Lagoas, 19 de setembro
32º C
(67) 99229-0519

Feira do peixe será realizada na quinta com mais de 10 mil kg de pescado

Deverão ser montadas 18 barracas na Avenida Rosário Congro e a comercialização será das 5h às 18h

Por Kelly Martins
22/03/2016 • 11h20
Compartilhar

A 3ª Edição da Feira do Peixe de Três Lagoas será realizada nesta quinta-feira, 24, na Avenida Rosário Congro, em Três Lagoas, e pretende comercializar mais de 10 mil quilos de pescado a preços populares. É uma opção para quem quer fugir dos altos valores encontrados em supermercados e outros estabelecimentos, na Semana Santa.

A feira iniciará a partir das 5h da manhã e seguirá até às 18h, na avenida, que é localizada no centro da cidade e também conhecida por realizar as feiras livres e noturnas. Deverão ser montadas mais de 18 barracas, neste ano, cinco a mais do que na edição anterior.

De acordo com a Prefeitura Municipal, a feira é organizada por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico em parceria com a Associação Feiratrês e os pescadores associados da Colônia de Pescadores Z-3. O consumidor poderá encontrar no local, espécies de peixes de água doce, como pintado, pacu, tilápia, barbado, tucunaré, curimbatá, piapara e o tradicional bacalhau. Hortaliças e condimentos também serão vendidos durante a feira.

JPNEWS: CONQUISTA SEGUROS BONIFICAÇÃO CONTRATO 37546
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Apesar do momento de crise financeira, o presidente da Colônia de Pescadores, Antônio de Farias, está com boas expectativas. “ Não vamos aumentar o valor do pescado e a ideia é promover um valor justo e acessível para todos”, pontua. Ele ressalta também que além da feira, o consumidor poderá comprar pescado Jupiá.

“Por conta da distância do centro da cidade, muitos pescadores optaram por ficar no Jupiá. É mais uma opção para quem pretende comprar”, observou. 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews

VEJA MAIS