RÁDIOS
Três Lagoas, 13 de julho

Homem joga bombas em residência e esfaqueia avô e neto no bairro Vila Verde

Suspeito teria agredido uma idosa, esfaqueado o filho dela e um bisneto durante a confusão

Por Alfredo Neto
08/07/2024 • 09h10
Compartilhar

Um caso de dupla tentativa de homicídio e lesão corporal cometido contra uma idosa, foi registrado na noite de sábado (6), após uma idosa ser empurrada por um desconhecido, durante um desentendimento e o filho dela e o bisneto, serem esfaqueados na rua Rogaciano Dias Porto (antiga rua E), no bairro Vila Verde, oeste de Três Lagoas (MS).

As 20h45, a Polícia Militar foi chamada para comparecer no bairro Vila Verde, onde duas pessoas teriam sido, esfaqueadas, após um desentendimento com uma pessoa de alcunha “Tuti”. No local os militares fizeram contato com as vítimas, que disseram aos policiais, que o suspeito teria jogado bombas contra a casa, e após a idosa questionar a perturbação com as bombas, acabou sendo empurrado pelo suspeito, e ao cair acabou sofrendo algumas escoriações.

O filho da idosa, um homem de 66 anos, tentou ajudar a mãe que havia sido derruba e neste momento, acabou sendo esfaqueado no tórax. Durante o entreveiro, um jovem de 18 anos, tentou defender o avô e a bisavó, e também acabou sendo esfaqueado, pelo suspeito, que fugiu proferindo ameaças contra as vítimas.

A guarnição da Polícia Militar socorreu as vítimas para à Unidade de Pronto Atendimento (UPA), onde os dois homens (neto e avô), ficaram em observação médica. As vítimas não souberam passar a identificação do suspeito, apenas que o mesmo atende pelo apelido de “Tuti”, e que o mesmo teria passado a jogar bombas na residência das vítimas, devido uma discussão anterior entre as partes. O caso foi registrado na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac), como lesão corporal dolosa, e tentativa de homicídio.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews Três Lagoas