Três Lagoas, 20 de setembro
34º C
(67) 99229-0519

Carreteiro é preso pela PRF com pistola e munições

"Além de dirigir feito louco, ele apontava à arma para todos" é o que disse uma pessoa à PRF

Por Alfredo Neto
23/07/2021 • 12h00
Compartilhar

No final da tarde desta quinta-feira (22) a Polícia Rodoviária Federal apreendeu uma pistola calibre 38, com 44 munições com um carreteiro, na rodovia BR-262, em Água Clara.

Policiais Rodoviários Federais realizavam fiscalização de rotina na base situada às margens da rodovia BR 262, guando foram informados que um motorista dirigindo uma carreta caçamba bi-trem de cor azul, estaria fazendo manobras perigosas e jogando o caminhão contra os carros que faziam o sentido contrário e mostrando uma arma de fogo para os demais motoristas.

Sabendo das características do caminhão, os policiais realizaram a abordagem assim que avistaram o caminhão Volvo FH12, de cor Azul. Ao ser indagado se o motorista estaria embriagado ou feito uso de entorpecentes o mesmo negou, quando questionado se havia alguma arma no interior do caminhão, o mesmo disse que havia uma pistola 380, para sua proteção e que a arma teria documentos e ele o porte para armas de fogo.

Após uma busca no interior da carreta, uma pistola Taurus calibre .38 foi encontrada com dois carregadores e 44 munições, 24 munições novas e 20 munições recarregadas. Ao ser cobrado sobre o porte, o motorista confessou não ter conseguido a devida autorização da Polícia Federal para adquirir uma arma de fogo e tão pouco o porte para andar armado.

O motorista recebeu voz de prisão por porte irregular de arma de fogo de uso permitido e munições, posteriormente levado para à Delegacia de Polícia Civil de Água Clara, onde foi autuado em flagrante e após pagar fiança que será estipulada pela justiça, o motorista poderá responder o processo em liberdade.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews

VEJA MAIS