RÁDIOS
Três Lagoas, 19 de junho

Procon/MS orienta sobre falsas mensagens enviadas em nome da instituição

Em outubro, os canais de atendimento do Procon/MS receberam 87 contatos referentes a tentativa de golpe

Por Redação
20/11/2023 • 15h48
Compartilhar

Há mais de cinco meses, mensagens sobre falsos processos de abertura de reclamação têm sido atribuídas ao Procon/MS (Secretaria-Executiva de Orientação e Defesa do Consumidor). Por conta disso, a instituição vinculada à Sead (Secretaria de Estado de Assistência Social e dos Direitos Humanos) orienta para que cuidados adicionais sejam adotados e os casos denunciados.

Em outubro, os canais de atendimento do Procon/MS receberam 87 contatos referentes a tentativa de golpe. As falsas mensagens, em sua maioria enviadas a empresas, notificam sobre abertura de reclamação de consumidor, sendo acompanhadas de um link para que se visualize o processo. O conteúdo, nesse caso, é malicioso e não deve ser acessado.

“Temos reforçado o alerta para que fornecedores e consumidores estejam atentos ao receber esse tipo de mensagem. Na dúvida, procure o atendimento do Procon/MS pelos telefones (67) 3316-9800 ou Disque Denúncia 151”, esclareceu o secretário-executivo do Procon/MS, Antonio José Angelo Motti. O caso já foi encaminhado para investigação policial.

JPNEWS: BANNER FAMÍLIA É TUDO 14.05 A 23.12.2024
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Recomendações

Sempre verifique a origem da mensagem. As comunicações oficiais do Procon/MS utilizam o domínio “@procon.ms.gov.br”. Desconfie de e-mails que não sigam esse padrão.

Não clique em links. Os golpes têm se utilizado dessa prática para enganar os fornecedores e consumidores, sugerindo que acessem um link ou façam download para acessar a reclamação.

Denuncie o caso. Não esqueça de informar ao Procon/MS sobre a ocorrência, enviando texto do e-mail recebido para [email protected].

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews Três Lagoas