RÁDIOS
Três Lagoas, 28 de fevereiro

Trânsito já matou 17 pessoas neste ano em Três Lagoas

Do total, 15 foram registrados no perímetro urbano

Por Ana Cristina Santos
02/12/2023 • 10h06
Compartilhar

Três Lagoas registrou de janeiro até novembro deste ano, 17 acidentes de trânsito com mortes. Destes, 15 foram registrados no perímetro urbano, sendo 10 acidentes envolvendo motocicletas, três bicicletas, sendo uma elétrica, um carro e um ônibus. Dois acidentes foram registrados fora do perímetro urbano.

O número de acidentes neste ano já supera o total registrado em todo o ano passado, quando 11 pessoas perderam a vida no trânsito. Em 2022, foram nove acidentes no perímetro urbano, sendo oito com motocicletas e um com bicicleta elétrica. Dois acidentes foram fora do perímetro urbano. 

“Este ano estamos batendo recorde de acidentes devido a negligência, imprudência ou imperícia de uma das partes”, disse a coordenadora do Setor de Educação no Trânsito, Carol Feliciano. Ela destacou que, existe o Gabinete de Gestão Integrada no Trânsito que debate e analisa os acidentes registrados. “E todos foram causados, infelizmente, por falhas humanas, já que as ruas são sinalizadas”, informou.

A maioria dos acidentes, conforme Carol, envolve pessoas na faixa etária dos 30 anos. Além dos acidentes, o número de infrações no trânsito também aumentou neste ano, comparado ao ano passado. De janeiro a novembro deste ano, a Polícia Militar e os agentes municipais de trânsito, registram 5.518 notificações, contra 4.800 contabilizadas em todo o ano de 2023. 

De acordo com dados do Departamento Municipal de Trânsito, das notificações registradas neste ano, 27% foram devido a falta do cinto de segurança, 19,8% por dirigir segurando celular, 6,2% por passar no sinal vermelho, 4,8% por licenciamento e 4,1% por parar na pista de rolamento.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews Três Lagoas