RÁDIOS
Três Lagoas, 21 de maio

Cinco pessoas são condenadas por tentativa de homicídio e integrar grupo de extermínio

Julgamento durou mais de 10 horas, no Fórum de Três Lagoas, na quarta-feira (17)

Por Alfredo Neto
18/04/2024 • 10h22
Compartilhar
TODAS AS PRAÇAS: BOX INTERNA NESCAU ATÉ 31.12.24

A primeira fase do julgamento de um grupo de pessoas acusado de participar de um suposto "tribunal do crime", em Três Lagoas, foi realizado, na quarta-feira (17), no Fórum de Três Lagoas. Conforme a denúncia, membros de uma suposta facção criminosa foram presos pela Polícia Militar, em abril de 2019, durante uma tentativa de homicídio contra um jovem.

Nesta 1ª fase, o Tribunal do Júri acompanhou depoimentos de diversos réus, entre eles, cincos pessoas, sendo quatro homens e uma mulher, acusados de integrar uma organização criminosa que tentou contra a vida de Nilson Thiago Flores. Na data anterior ao crime, ele teve uma discussão com um colega, no bairro Novo Oeste, resultando em agressões. Nilson teria usado um extintor de incêndio para agredir um colega, o deixando em estado gravíssimo.

Na época dos fatos, Ariane de Paula Santos foi acusada de dirigir o carro que transportou Nilson, do Novo Oeste, até a residência onde o grupo estaria reunido para a vingança. No dia 26 de abril de 2019, a Polícia Militar teria recebido denúncias anônimas sobre a ação criminosa, revelando que integrantes da facção teriam armado uma emboscada para Nilson, no bairro Novo Oeste, e o colocou à força no porta-malas de um carro. Depois, ele foi levado para o julgamento do "tribunal do crime".

JPNEWS: BANNER FESTIVAL BEER EM BLUES 14/05 A 23/05/2024
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cientes que a vítima poderia ser morta, a PM e a Polícia Civil passaram a investigar o caso. Três pessoas ligadas à facção criminosa estavam presas e passaram a se comunicar, por meio de telefones monitorados, com autorização da Justiça, com membros do grupo. Eles comentavam sobre o julgamento e a polícia passou a rastrear a localização dos criminosos, chegando até a residência que teria sido cedida para que a vítima fosse morta.

A Força Tática teria conseguido localizar o cativeiro e resgatou a vítima. Após frustrar a ação do grupo, 12 pessoas foram levadas para a delegacia ondem foram autuadas por tentativa de homicídio, organização criminosa e corrupção de menores, além de integrar grupo de extermínio.

Após cinco anos, foi realizada a primeira fase do julgamento, onde Ariane de Paula Santos, Jonatas Galdêncio Pinheiro, Rodrigo Douglas da Silva, Weslei de Souza Hernandes e Deniel Henrique Pereira Rios foram levados ao Tribunal do Júri. Após depoimentos de todos os envolvidos, testemunhas de acusação e de defesa e Promotoria travaram um longo embate levando o julgamento a durar mais de 10 horas.

Por volta de 21h40, o júri se reuniu e decidiu por maioria absoluta, pela condenação dos cinco acusados que estavam sendo julgados, nesta quarta-feira (17). Ariane de Paula Santos foi condenada por tentativa de homicídio qualificado, integrar organização criminosa e corrupção de menores, em 11 anos de prisão, começando em regime semiaberto.

Jonatas Galdêncio Pinheiro foi condenado em 13 anos de prisão, pelos crimes de tentativa de homicídio, integrar organização criminosa e corrupção de menores. Rodrigo Douglas da Silva foi condenado há 16 anos de reclusão, pelos mesmos crimes de Galdêncio. Deniel Henrique Pereira Rios foi condenado há 17 anos e 8 meses de reclusão, por tentativa de homicídio, integrar organização criminosa e por corrupção de menores.

Após a leitura da sentença, os acusados foram notificados da condenação e a sessão encerrada. No mês de maio, de 2024, a 1ª Vara de Justiça volta a julgar o caso, onde outros acusados serão julgados. Grande parte das pessoas acusadas no processo está presa por outros crimes.

Confira os detalhes abaixo:

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews Três Lagoas