RÁDIOS
Três Lagoas, 18 de julho

Campanha em prol do fim da violência contra as mulheres inicia nesta quarta-feira

Ação é um movimento anual que luta contra a violência e garante o direito das mulheres

Por Redação JPNews
21/11/2023 • 08h49
Compartilhar

A Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS), por meio do Centro de Referência de Atendimento à Mulher em Situação de Violência – Cram “Halley Coimbra”, lançará a campanha 16 dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres, ação essa que é um movimento anual, com abrangência em todo o mundo, pela erradicação de todo o tipo de violência com as mulheres e garantia de seus direitos.

A campanha inicia-se no dia 25 de novembro: Dia Internacional da Não Violência Contra a Mulher; 1 de dezembro: Dia Mundial de Combate a AIDS; 6 de dezembro: Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência Contra as Mulheres e 10 de dezembro: Dia Mundial dos Direitos Humanos.

O Cram e toda a rede de enfrentamento do município de Três Lagoas, composta pela Delegacia da Mulher, Programa Mulher Segura (Promuse), Defensoria Pública, CMDM e diversos parceiros convidam toda a sociedade para participar da campanha dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres, através da seguinte programação:

No dia 22 de novembro, será realizado a palestra para SCFV Colo de Mãe, no Cras São João, às 8h; Já no dia 25 de novembro, terá um teatro sobre o tema abordado “Mobilização pelo fim da violência contra mulher”, na Feira Central, às 8h; No dia 27 de novembro, terá uma palestra com estudantes dos cursos profissionalizantes da Missão Salesiano, às 18h30.

Na agenda de dezembro, no dia 1º será realizado uma parceria com IST/Aids no Dia Mundial do Combate a Aids; E, no dia 6, será realizado uma parceria com a Polícia Militar na entrega de laço branco e folder da campanha, das 6h45 às 7h30.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews Três Lagoas