Três Lagoas, 19 de setembro
32º C
(67) 99229-0519
JPNEWS: CONQUISTA SEGUROS BONIFICAÇÃO CONTRATO 37546

Falar ao celular e não usar cinto lideram estatística de multas no trânsito

Polícia Militar registrou mais de quatro mil autuações em 2017; departamento de trânsito aposta em conscientização

Por Sergio Colacino
05/01/2018 • 06h30
Compartilhar

A imprudência continua sendo a principal causa de acidentes no trânsito de Três Lagoas. No ano passado, 12 pessoas perderam a vida em acidentes registrados no município. Os índices de infrações preocupam: segundo levantamento da Polícia Militar, em 2017 foram 92 ocorrências envolvendo motoristas embriagados. Além disso, a PM aplicou mais de quatro mil multas. Para o departamento de trânsito da cidade, falar ao celular e não usar o cinto de segurança lideram as irregularidades.

Os dados fazem parte do balanço anual, divulgado pelo 2º Batalhão da Polícia Militar. Nesta semana, o JPNEWS já havia publicado que quase 900 motoristas foram flagrados dirigindo sem a Carteira Nacional de Habilitação (CNH), um aumento de 73% em relação ao ano passado. Para a coordenadora municipal de educação no trânsito, Caroline Feliciano, os números refletem a imprudência. “Às vezes a pessoa acha que está capacitada para dirigir, mas ela tem que fazer uma prova, passar pelo processo de habilitação. Nós fazemos campanhas e todas as semanas procuramos trabalhar com o público de forma educativa”, afirma.

Nos últimos meses, o departamento de trânsito têm sentido, no entanto, uma queda no número de autuações. Foram 639 multas em outubro. No mês seguinte, 636. Em dezembro, o número caiu para 536 multas. Sinal que prevenção e educação podem gerar um trânsito mais seguro. “Nós procuramos conscientizar sempre os motoristas. Mesmo assim, tem motorista que não aprende só na conversa e precisamos aplicar as medidas cabíveis”, finaliza.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews

VEJA MAIS