Três Lagoas, 05 de agosto(67) 99229-0519
JPNEWS: SENAR PI 1507

Fumacê percorre 16 bairros que mais registraram casos de dengue em Três Lagoas

Ação contra mosquito foi intensificado nesta semana para combater o alto número de registros da doença

Por Kelly Martins
11/12/2018 • 11h30
Compartilhar

Para reduzir o alto índice de casos de dengue, em Três Lagoas, o carro fumacê tem percorrido diversos pontos da cidade. Ao menos 16 bairros que registraram mais incidência da doença receberam o inseticida e o bloqueio químico pelas equipes do Setor de Endemias e Controle de Vetores da Vigilância em Saúde e Saneamento da Secretaria Municipal de Saúde.

O objetivo é bloquear o ciclo de proliferação do Aedes aegypti, vetor transmissor da dengue e outras doenças, de maneia emergencial, seguindo os procedimentos e recomendações contidas nas Diretrizes Nacionais para a Prevenção e Controle de Epidemias de Dengue do Ministério da Saúde. Mais de 300 moradores foram diagnosticados com dengue e 1.800 casos suspeitos notificados.

Os bairros com mais notificações são: Interlagos, São Carlos, Vila Haro, Paranapungá, Santa Terezinha, Esplanada NOB, Santa Rita, Samambaia, Jardim Rodrigues, Vila Nova, Vila Alegre, Santo André, Guanabara, Vila Maria, Planalto, Violetas e adjacências. A borrifação ocorre no período da manhã, entre 5h e 8h, e no período da tarde, das 18h às 22h.

“O fumacê vem sendo aplicado em cinco ciclos, com intervalos de três dias, nos mesmos horários, para obtermos mais resultados na eliminação do mosquito Aedes aegypti”, explicou o coordenador de Endemias e Controle de Vetores, Alcides Divino Ferreira.

O coordenador voltou a recomendar que as pessoas abram as portas e janelas de suas casas “para que nosso trabalho obtenha resultados e elimine as fêmeas dos mosquitos adultos, que costumam entrar nas residências nesses horários”, orientou.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews

VEJA MAIS