RÁDIOS
Três Lagoas, 13 de julho

Há 75 anos, Jornal do Povo registra o cotidiano e a história de Três Lagoas

Jornal do Povo comemora 75 anos de história no mesmo dia em que Três Lagoas celebra 109 anos

Por Ana Cristina Santos
15/06/2024 • 09h00
Compartilhar

Não é apenas Três Lagoas que faz aniversário neste sábado, 15 de junho, o Jornal do Povo também. O JP comemora 75 anos de história na mesma data em que Três Lagoas celebra 109 anos de emancipação político-administrativa. O Jornal do Povo é o único de Mato Grosso do Sul que ainda é impresso e distribuído há mais de sete décadas. 

São mais de dois terços da história de Três Lagoas registrados nas antigas páginas amareladas, hoje digitalizadas, do Jornal do Povo. É um dos registros mais fiéis da vida cotidiana do município. 

O periódico atravessou todas as fases da imprensa brasileira, desde quando era impresso letra a letra e apenas em preto e branco, enfrentou as crises do pós-guerra e os solavancos causados de planos econômicos desde os governos de Getúlio Vargas a Jânio Quadros, a ditadura militar e a redemocratização. Esteve presente na criação do Estado, em 1977, e na promulgação da Constituição de 1988, entre outros acontecimentos políticos. 

JPNEWS: BANNER FAMÍLIA É TUDO 14.05 A 23.12.2024
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“O Jornal do Povo nasceu de embates da disputa política de Três Lagoas, mas superou essa fase. Há mais de 40 anos, desde que meu pai assumiu o jornal em 1962, depois eu, em 1991, em um processo de evolução permanente, procuramos dar para Três Lagoas, um jornal, imparcial e sobretudo noticioso, e que defende as questões do desenvolvimento da cidade”, destaca o diretor geral do Grupo RCN de Comunicação, Rosário Congro Neto.

 Em sua primeira versão, as edições eram mensais e semanais, posteriormente, quinzenais e semanais. Circulou três vez na semana até tornar-se jornal diário. É incontestável que o Jornal do Povo sempre trouxe as principais notícias da cidade e da região, apurado com isenção os fatos como verdadeiramente ocorreram.

Porém, com o avanço tecnológico e o surgimento do jornalismo online, o JP passou a ter uma versão digital, que hoje está inserida no portal RCN 67. Atualmente sua versão impressa é semanal e circula aos sábados. O Jornal do Povo constitui-se em um rico acervo para se pesquisar assuntos históricos de Três Lagoas.

Sempre em defesa da democracia e da imprensa livre, Rosário Congro Neto, ressalta que o Jornal do Povo, além de exercer o seu papel de levar informação à sociedade, contribui com pautas sugestivas para o poder público. “O Jornal do Povo traz à luz de providências que precisam ser tomadas pelo poder público. Esse é o fundamento, o de defesa, o de cobrar as providências que a sociedade reclama”, destaca Rosário.

Ao longo desses 75 anos, o Jornal do Povo noticiou muitos acontecimentos e cobrou providências para muitos problemas que precisavam de solução. Tais como a quantidade de acidentes registrados na BR-262 e a necessidade de duplicação da rodovia. Reportagem publicada na edição de junho de 1984, noticiava “Rodovia da morte faz mais uma vítima fatal em acidente”. Há 40 anos o JP publica sobre a situação na rodovia e, até hoje, seja na edição impressa ou online, cobra a duplicação da BR que liga Três Lagoas a Campo Grande. 

Credibilidade e assuntos relevantes marcam o JP 

Rikio Yamakami, tem 80 anos, e mora em Três Lagoas desde 1960, e é um leitor assíduo do Jornal do Povo. Mesmo tendo disponível uma versão online, ele prefere pegar e ler a edição impressa. “Desde 1970 eu comecei fazer a leitura do Jornal do Povo. Eu era assinante e recebia em casa o jornal, depois passei a pegar gratuitamente. Todo sábado eu pego na padaria, na papelaria ou na sede do Grupo RCN”, conta Rikio. Rikio diz que faz questão de ler o Jornal do Povo pela credibilidade na veiculação das notícias. De fato está certo, pois o JP sempre publica as principais notícias da cidade e da região, as quais são apuradas com isenção dos fatos como verdadeiramente são. A marca do Jornal do Povo é a credibilidade.

Para Rikio, além da credibilidade, o conteúdo do impresso é o que o motiva a ler todas as edições. “Eu gosto de ler o Jornal do Povo pela credibilidade das notícias, acho importante isso. E o gosto de ler o impresso, é uma mania. Quando estou viajando peço para a minha filha pegar e guardar para mim a edição da semana”, conta. Outros leitores se informam das notícias do JP através do Portal RCN 67, onde está a edição online, ou pelo PDF do jornal que é distribuído pelo WhatsApp nas manhãs de sábado. É o caso da pecuarista Mara Belchior. “Todo sábado quando recebo o jornal pelo grupo do WhatsApp, leio, principalmente as notícias mais importantes. Gosto também do editorial, sempre tem assuntos relevantes”, disse. O pai de Mara já foi assinante do Jornal do Povo.

Escola desenvolve projeto de incentivo à leitura e escrita com o JP

Em tempos de redes sociais, o impresso ainda ganha espaço até mesmo entre os mais jovens. Através do Jornal do Povo alunos do 5º ano da escola Olintho Mancini, em Três Lagoas, aprendem sobre o texto no jornalismo para estimular o hábito da leitura. A iniciativa do projeto é do professor Rômulo Wendell, que iniciou esse trabalho no ano passado. “Além de estimular a leitura e a escrita correta, a nossa ideia é que os alunos saiam um pouco da realidade virtual”, disse. Além disso, fez questão de desenvolver o projeto com as edições do Jornal do Povo, considerando a credibilidade das notícias. “Nas redes sociais as crianças, assim como os adultos, ficam mais vulneráveis às mentiras, às fake News. Então, a gente traz o jornal, explica como é feito, para que possam ter noção do que é ou não verdadeiro. Além disso, a gente mostra que a escrita formal e correta é muito importante para a formação do aluno, o que temos dificuldade para encontrar nas redes sociais, que estão cheias de palavras com abreviações e com escritas erradas e sem pontuações”, destaca Wendell.

Acompanhe abaixo reportagem sobre o assunto:

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews Três Lagoas