RÁDIOS
Três Lagoas, 21 de maio

"Petrobras estava entregando de mãos beijadas a UFN 3", diz Simone Tebet

Confira a coluna Observatório do Jornal do Povo, na edição que circula neste sábado (30)

Por Redação
30/04/2022 • 11h13
Compartilhar

MÉRITO 
Algumas pessoas não entenderem o motivo da senadora Simone Tebet (MDB/MS), ter comemorado, neste momento, a não venda da UFN 3 ao grupo russo Acron. O fato é que a Petrobras estava entregando de “mãos beijadas” uma fábrica que já recebeu mais de R$ 3,5 bilhões em investimentos.

Além disso, no contrato de venda não tinha nenhuma garantia de que os russos teriam que concluir a fábrica de fertilizantes. A empresa Acron queria simplesmente pegar uma mega estrutura quase pronta para funcionar e operar apenas como uma misturadora e gerar cerca de 100 empregos.

Sendo que o projeto inicial da UFN 3, prevê na fase de conclusão da obra mais de 7 mil empregos e na fase de operação mais de 500 postos de trabalho diretos, fora os indiretos. Além disso, no projeto original da estatal, estão previstas a vinda de, pelo menos, 14 empresas misturadoras. Vale destacar ainda que os russos ficariam ainda com uma área que o governo do Estado pagou R$ 5 milhões. De fato, não se pode entregar os investimentos brasileiros aos estrangeiros de graça! Mérito da senadora que não permitiu isso. 

VICE
O ex-governador de São Paulo e pré-candidato a presidente pelo PSDB, João Doria, admitiu nesta quinta-feira a possibilidade de ser vice no pacto dos partidos de centro pela chamada terceira via. Doria abriu as portas para uma composição com a senadora Simone Tebet (MDB-MS).

CHAPA PURA
Já o presidente nacional do União Brasil, deputado federal Luciano Bivar, decidiu disputar à Presidência da República com chapa pura, tendo como possível pré-candidata a vice a senadora de Mato Grosso do Sul, Soraya Thronicke.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews