RÁDIOS
Três Lagoas, 15 de julho

Suzano investirá R$ 48 milhões em Ribas do Rio Pardo

Prefeito comemorou investimentos que vão melhorar qualidade de vida

Por Isabelly Melo
27/11/2021 • 16h03
Compartilhar

Com a construção de uma nova fábrica em Ribas do Rio Pardo, a Suzano Papel e Celulose teve pacote de ações do ‘Projeto Cerrado’ aprovado pelo Conselho Municipal de Desenvolvimento Sustentável de Ribas. Através do Programa Básico Ambiental (PBA), R$ 48 milhões serão destinados para as mais diversas áreas.

Dentre as mais de 20 ações definidas pelo Conselho Municipal (formados por representantes dos três Poderes, sociedade civil e da Suzano), estão a ampliação do Hospital Municipal para comportar atendimentos de média complexidade, apoio a projeto habitacional, com construção de casas populares para famílias sem renda inscritas no Cadastro Único do município e a adequação do trevo de acesso à cidade na BR-262, localizado em frente ao posto Bonanza.

Além da implantação de uma nova delegacia da Polícia Civil, uma nova base para a Polícia Rodoviária Federal na BR-262 e apoio para a melhoria da estrutura física da Polícia Militar visando o aumento do efetivo.

Conforme o diretor responsável pelas obras de implantação da nova fábrica de celulose da Suzano, Maurício Miranda, a empresa busca transformar a presença no Estado num legado social. “Por isso, estamos dando a nossa contribuição e buscando proporcionar a toda a comunidade de Ribas do Rio Pardo uma melhoria concreta na qualidade de vida”. 

Na visão do prefeito de Ribas, João Alfredo Danieze, as ações do PBA irão melhorar a infraestrutura do município em vários setores. “Este expressivo valor que será investido pela empresa vai minimizar os impactos da obra, auxiliando e colaborando com a administração pública para darmos à população local uma condição de vida melhor”, complementou.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews Três Lagoas