RÁDIOS
Campo Grande, 18 de junho

Estratégia de combate ao fogo conta com a ampliação de 13 novas bases no estado 

Cerca de 85 bombeiros militares estão distribuídos em pontos específicos

Por Karina Anunciato
21/05/2024 • 10h30
Compartilhar

Mato Grosso do Sul registrou 1.111 focos de calor até segunda-feira (20), aumento de 222% em comparação com o mesmo período do ano passado, quando foram registrados 499 focos.

Só no Pantanal, foram 409 focos de calor desde o início do ano. No ano passado, este número era de 45 casos no Pantanal, no mesmo período, aumento de 908%, segundo dados do Programa de Queimadas do Instituto Nacional de Pesquisa Espaciais, INPE.

Em entrevista ao Jornal CBN CG, a diretora de Proteção Ambiental do Corpo de Bombeiros de MS, tenente-coronel, Tatiane de Oliveira destacou a preparação da corporação para o combate ao fogo. Segundo ela, apesar do prognóstico de estiagem, a infraestrutura hoje em dia facilita também a pronta resposta no enfrentamento às queimadas.

“Antes a gente tinha um período mais definido para o aumento das queimadas. Agora, isso ocorre durante todo o ano [...] o investimento em duas aeronaves, tecnologia, drone e geoprocessamento são fundamentais para atuar de forma mais rápida e local. Isso também ajuda na estratégia física, já que podemos atuar efetivamente onde o fogo está, poupa energia dos militares que podem usar na hora certa”. 

Este ano, o Corpo de Bombeiros tem atuado com o serviço de bases avançadas. Ao todo, estão previstos 3 pontos espalhados pelo estado. “Na semana passada foram deslocadas 7 equipes, esta semana mais seis. São 85 militares distribuídos nas bases avançadas”. Durante a entrevista, a diretora falou do enfrentamento às queimadas urbanas que inclusive influenciam nos acidentes de trânsito nas rodovias e vias públicas e prejudicam a qualidade do ar. Acompanhe.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de CBN Campo Grande