RÁDIOS
Campo Grande, 16 de junho

Frio aumenta em 30% chance de infarto

Vasoconstrição também gera risco aumentado para acidente vascular cerebral

Por Karina Anunciato
28/05/2024 • 10h30
Compartilhar

Nesta semana em que os termômetros marcam temperaturas de cerca de 20 graus, na máxima, em diversos municípios no estado, aciona o alerta para os riscos à saúde. Isso porque além do desconforto com o frio, segundo o Instituto Nacional de Cardiologia, em estações do ano mais frias, o número de infartos cresce, em média, 30% e os de AVC, 20%. 

Em entrevista ao Jornal CBN CG desta terça-feira (28), a cardiologista, Franciely Wiginesk descreveu o que acontece com o corpo humano neste período do ano e alertou para quem já tem histórico cardíaco.

“Com as baixas temperaturas o nosso corpo tenta nos aquecer. No frio ocorre a vasoconstrição, é como se os vasos sanguíneos apertassem um pouco mais. As nossas artérias ficam mais estreitas, então o coração acaba sofrendo este impacto também por conta disso, principalmente, em quem já tem um problema de saúde, que já tem um problema cardiológico”.

Como medida para aquecer o corpo, muitas pessoas tendem a tomar líquidos mais quentes como sopas e cafés. Sobre a alimentação, a médica destacou que não há problema com a ingestão destes a alimentos, especificamente, mas é importante ficar de olho na quantidade ingerida.

“Os alimentos quentes aquecem o corpo, mas tem que ficar alerta a quantidade de sal e a quantidade de cafeína. O café como estimulador e o sal na alteração da pressão sanguínea”.

A cardiologista falou ainda sobre a importância do check-up anual, especialmente nesta época do ano, descreveu sintomas e disse o que fazer em caso de socorro imediato. Acompanhe a entrevista completa.

CLIQUE AQUI e entre no canal de notícias da CBN CG

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de CBN Campo Grande